Cidadeverde.com
Esporte

Cruzeiro perde para o Sampaio Corrêa e amplia crise

Imprimir

Foto: Bruno Haddad/Cruzeiro

 

São poucos os jogadores que conseguem marca tão expressiva de apresentações para o clube. O goleiro Fábio completou 900 jogos no Cruzeiro nesta quinta-feira em dia que era para ser de festa no Mineirão. Porém, o Sampaio Corrêa, liderado por Pimentinha, estragou a noite comemorativa ao ganhar por 2 a 1.

Era um duelo direto pela fuga da zona de rebaixamento e apontado pelos mineiros como o jogo ideal para ganhar um respiro na tabela. Porém, com apresentação apática, viu o time visitante dominar o confronto e, merecidamente, sair da faixa de risco.

O Cruzeiro, cada vez mais se afundando - já é o 18° colocado, com 11 pontos - vai passar uma semana em Atibaia em busca de paz No domingo, tentará mais uma vez fugir da degola, desta vez diante do lanterna Oeste, em Barueri. Já o Sampaio, agora com 14, está em 15º. No domingo, receberá o Botafogo-SP, no Castelão

O JOGO - Os maranhenses começaram o jogo em alta tensão. De cara, Fábio fez um milagre em cabeceio à queima roupa. Mas o lance foi impugnado por impedimento. Aos 12, porém, valeu. E o goleiro nada pôde fazer. Roney recebeu de Luis Gustavo, livre pela esquerda, e chutou rasteiro, por baixo do goleiro.

Sair em desvantagem não fazia parte dos planos dos donos da casa na luta contra a degola. A ordem era evitar pressão desnecessária. Entretanto, a defesa vulnerável era um convite aos visitantes.

O Cruzeiro não conseguia criar e sofria demais atrás. Um perigo atrás do outro. Pimentinha quase fez o segundo. Após o chute, a bola bateu no zagueiro e enganou Fábio, passando perto da trave. Se vai em direção ao gol, o goleiro não seguraria, pois caiu para o outro lado.

O Sampaio ainda teve enorme chance de ampliar aos 34 minutos, em um contragolpe em altíssima velocidade e num dois contra um. Pimentinha quis servir o companheiro e errou o passe. Os visitantes pareciam em casa. Dominavam o placar e o jogo, sempre rondando a área de Fábio, mas exagerando nos toques de efeito.

O Cruzeiro não conseguia criar nada, porém tem uma camisa pesada e isso não pode ser desprezado. O Sampaio Corrêa deu mole no jogo e acabou levando o empate. Cobrança de falta para a área e o zagueiro Manoel subiu para desviar, de cabeça. O goleiro Gustavo, adiantado, acabou encoberto: 1 a 1 e luta pela fuga da queda aberta.

Ciente que necessitava melhorar para chegar à vitória, Ney Franco mexeu em dose dupla no intervalo. Maurício e Thiago entraram para melhorar o setor ofensivo. Mas de nada adiantou. Jogada individual de Pimentinha e passe preciso para o centroavante Caio Dantas recolocar o Sampaio Corrêa em vantagem com 13 minutos. Chute colocado, sem chances para Fábio.

Pimentinha deu enorme calor aos defensores mineiros. Com dribles e jogadas individuais, o atacante só era parado com faltas. Em uma noite onde tudo parecia igual, o Cruzeiro também só acordou no fim da etapa. Daniel Guedes bateu falta raspando e Manoel por pouco não empatou de cabeça. Desta vez o defensor não acertou o alvo. Ele ainda viu Thiago desperdiçar chance incrível ao chutar em cima do zagueiro caído na pequena área. Pecou pelo excesso de ansiedade.

Derrota amarga e frustrante para o ídolo Fábio, que esperava comemorar o jogo 900 com triunfo e fuga da zona de rebaixamento

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 x 2 SAMPAIO CORRÊA
CRUZEIRO - Fábio; Daniel Guedes, Ramon, Manoel e Giovanni (Rafael Luiz); Machado (Claudinho), Henrique (Jadson), Régis (Maurício) e Airton; Sassá e Arthur Caíke (Thiago). Técnico: Ney Franco.
SAMPAIO CORRÊA - Gustavo; Luís Gustavo, Joécio, Daniel Felipe, e João Victor; André Luiz, Vinícius Kiss, Marcinho (Eloir) e Roney (Diego Tavares); Caio Dantas (Jackson) e Pimentinha (Robson). Técnico: Léo Condé.
GOLS - Roney, aos 12, e Manoel, aos 39 minutos do primeiro tempo; Caio Dantas, aos 13 do segundo.
CARTÕES AMARELOS - Maurício, Daniel Guedes e Henrique (Cruzeiro), Luís Gustavo, Gustavo e Roney (Sampaio Corrêa).
ÁRBITRO - Gilberto Rodrigues Castro Junior (PE).
RENDA E PÚBLICO - Jogo disputado com portões fechados.
LOCAL - Mineirão, em Belo Horizonte (MG).

Por Fabio Hecico, especial para a AE
Estadão Conteúdo

Imprimir