Cidadeverde.com
Entretenimento

Em lançamento do edital da Lei Aldir Blanc, presidente da FMC critica burocracia

Imprimir
  • firmino_-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-8.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-7.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • firmino_.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

O presidente da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, Luís Carlos, criticou a burocracia que levou à demora na regulamentação da legislação. A lei foi aprovada em junho para atender os artistas prejudicados pela pandemia, mas as definições quanto a execução e a liberação do recurso só foram definidas meses depois.  
 
A lei  federal prevê auxílio financeiro de R$ 3 bilhões para todo o país. Para o setor cultural de Teresina serão destinados R$ 6,5 milhões.
 
“Houve dificuldade na regulamentação de sua execução. Indiscutivelmente, a burocracia emperra as coisas. O mundo avança de um lado e a burocracia faz com que as coisas não andem como queremos e que a população necessita. Foi lançado edital muito claro. Os artistas serão socorridos. O verdadeiro objetivo da lei é o socorro emergencial aos artistas”, disse o presidente.  

O prefeito Firmino Filho (PSDB) defendeu a necessidade dos editais serem executados de forma mais célere, diante das necessidades dos artistas. 

“A classe artística foi muito prejudicada durante a pandemia. A lei foi aprovada em junho e a regulamentação demorou um pouco mais antes tarde do que nunca. Esperamos que os editais possam rodar de forma mais rápida, essa solidariedade para que a classe artística possa ter oportunidade de continuar a batalha e garantir a sua existência. 

A Lei Aldi Blanc beneficiará artistas e proprietários de espaços culturais. 

“A lei Aldi Blanc é federal e coloca para o Brasil cerca de R$ 3 bilhões. Para Teresina, recebemos R$ 6,5 milhões. Serão duas linhas. São propostas coletivas que são destinadas aos artistas de modo geral. Vários segmentos culturais, como também, para socorrer os espaços culturais. Quem tiver espaço cultural que se adequar na lei, haverá auxílio para manutenção do espaço prejudicado. A atividade cultural foi a primeira a ser suspensa”, disse Luis Carlos.

A partir desta quinta-feira (15), os artistas poderão ter acesso aos editais, que serão publicados no Diário Oficial do Município. Os documentos irão  conter as diretrizes para a seleção dos beneficiados.

 

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir