Cidadeverde.com
Política

Do Saci, foi dono de carrinho de cachorro quente a Loteria; veja trajetória de Kassio Nunes

Imprimir

Foto: Ascom/TRF1


No 4º andar da Superintendência Regional do Trabalho, em Teresina, o assistente sindical do órgão, Luciano dos Santos Nunes, foi apanhado por uma inesperada visita. Era o juiz Kassio Nunes Marques que, em 2011, foi pessoalmente entregar o convite para a sua posse no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). "Ele sempre foi muito atencioso, prestativo com os amigos", diz Luciano, 65 anos, que conhece Kassio desde criança e foi seu vizinho na capital. 

Kassio Nunes Marques, 48, é descrito pelos amigos, vizinhos e pessoas que convivem ou trabalharam com ele, como cortez, inteligente, discreto, resistente a provocações e com elevado poder de convencimento.

Nesta quarta-feira (21), Kassio Nunes, que é vice-presidente do TRF, será sabatinado no Senado Federal. Ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para a vaga de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), no lugar do decano Celso de Mello, que antecipou aposentadoria. Se for aprovado, será o sexto piauiense a ocupar uma cadeira no Supremo.   

Teresinense, Kassio nasceu na maternidade Dona Evangelina Rosa e morou numa pequena casa na rua Benjamin Constant, Centro de Teresina. Logo se mudou para o bairro Saci, onde morou por cerca de 20 anos. 

Fotos: Roberta Aline

Rua no Saci onde Kassio Nunes morou

Morou na quadra 2 do Saci, flamenguista, uma de suas diversões era jogar bola em um campo improvisado que ficava a cerca de 50 m de sua casa. 

"Bater bola era sua única diversão. Ele era bem relacionado, conhecido. Sempre estudioso, não era menino de rua e nunca discutia com ninguém, sempre foi dedicado aos estudos", lembra Luciano Nunes. 

De base católica, Kassio estudou no colégio Diocesano, escola de elite, criada por padres jesuítas. Antes tinha feito o jardim de infância no Instituto Dom Barreto. Ele se formou em Direito na Universidade Federal do Piauí (Ufpi), em 1994. A mãe foi professora de história e geografia. O pai foi professor (diversas matérias) e diretor de escola pública e dentista.

Dono de carrinho de cachorro quente

Para estudar na Ufpi, Kassio se deslocava de ônibus do Saci para o bairro Ininga, sede da universidade. Devido a dificuldade financeira, ele teve a ideia de vender cachorro quente e aumentar a renda. De 1990 a 1991, ele montou um carrinho de cachorro que circulava nos arredores do Saci. Com o dinheiro pagava despesas pessoais, gastos com ônibus, e comprava livros para o curso.  

Assim que largou a venda de lanches, Kassio, em 1991 comprou uma agência lotérica, no bairro Bela Vista. Por nove anos investiu no negócio, mas veio a onda de assaltos e insegurança e encerrou as atividades. 

Já morando em Brasília, com dois sócios fundou uma construtora - a Lamark Construções. Houve especulação que seria fantasma, mas assessoria de Kassio negou. Informou que a empresa foi criada de 2012 a 2014 para construir seis apartamentos e que Kassio já saiu do negócio.  

Por 15 anos, o piauiense atuou como advogado. Junto com os colegas Norberto Campelo, Sigifroi Moreno, Willian Guimarães, Marcus Vinicius Furtado Coelho e outros criaram um movimento para quebrar a hegemonia de um grupo que dominava a Ordem no estado por 30 anos. Em 2007, a chapa que Kassio dava apoio saiu vitoriosa e em 2010 ele foi eleito conselheiro federal suplente da OAB (Ordem dos Advogados do Piauí, seção Piauí). 

Contemporâneo do desembargador, o ex-presidente da OAB, Sigifroi Moreno, lembra uma passagem marcante de Kassio pela Ordem. O episódio envolveu o advogado Marcelo Leonardo Barros Pio, que foi insultado e preso dentro da Central de Flagrantes ao defender um cliente.

"Kassio se indignou ao saber da agressão contra Marcelo Pio e logo bem cedo, pela manhã, mobilizou a Ordem para insurgir contra aquela violência. Fizemos um ato de desagravo e outras ações e a iniciativa de Kassio, por ele ter tomado à frente, foi fundamental para que não ficasse impune", disse Sigifroi Moreno. 

Residência que o desembargador morou por cerca de 20 anos, no bairro Saci

Conselheiro mais votado

Em 2011, foi o conselheiro da OAB mais votado para uma vaga de desembargador do TRF-1, nomeado pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT).  

De 2008 a 2010, foi também juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí (TRE). 

O desembargador é mestre pela Universidade Autônoma de Lisboa, onde também fez doutorado. Ele tem pós-doutorado na Itália e na Espanha. Uma das polêmicas, é que Kassio Nunes teria colocado em seu currículo um curso de pós-graduação na Universidad de La Coruña, na Espanha, que a instituição negou existir. Após divergência, foi esclarecido que o desembargador fez um curso de aperfeiçoamento. 

Veja aqui currículo de Kassio Nunes

 

Por Yala Sena
[email protected]

Imprimir