Cidadeverde.com
Esporte

Cuiabá suporta pressão, segura o 0 a 0 e elimina o Botafogo na Copa do Brasil

Imprimir

O Botafogo está eliminado da Copa do Brasil. Em dois jogos, não conseguiu anotar um único gol no vice-líder da Série B, Cuiabá, e deu adeus com o 0 a 0 na Arena Pantanal, nesta terça-feira. 

Foto - Vitor Silva - Botafogo

A derrota por 1 a 0 em casa acabou sendo decisiva no confronto. Nesta terça-feira, o time carioca até teve chances na etapa final, mas os mato-grossenses suportaram a pressão e festejaram demais a conquista da vaga.

Reserva nos dois jogos sob direção de Flávio Tenius no Botafogo, o atacante Pedro Raul foi quem mais criou quando entrou, na etapa final. Foram três chances claras e o lamento de não tirar o zero do placar. Ao acertar o travessão, o atacante quase arrancou o calção de "raiva" com a falta de sorte.

Foi uma enorme festa do Cuiabá ao apito final. Jogadores ajoelhados agradecendo aos céus com a inédita classificação às quartas de final, muitos cumprimentos e abraços. Do lado carioca, frustração, decepção e choro. 

Muitos jogadores ficaram sentados no gramado ou banco de reservas incrédulos com a eliminação. Matheus Babi, Marcelo Benevenuto e Bruno Nazário estavam desolados, não acreditavam no resultado. Fora da Copa do Brasil, resta ao Botafogo a dura luta contra a queda no Nacional

Em seu segundo jogo no comando do Botafogo, Flávio Tenius mostra que ainda não achou o ataque ideal. Lecaros foi opção diante do Ceará, já em Cuiabá quem iniciou ao lado de Matheus Babi e Warley foi Kelvin. Pedro Raul virou mesmo reserva com o novo comandante alvinegro.

Apesar dos testes na frente e da necessidade da vitória na Arena Pantanal para reverter o tropeço sofrido no Rio, por 1 a 0, o Botafogo fez um primeiro tempo sem levar perigo ao goleiro João Carlos.

Até dominou a posse de bola e ficou mais no campo ofensivo. Porém, sem forças diante de uma defesa bem postada. O lance de maior perigo da etapa aconteceu após um chutão para a frente. O contragolpe terminou com chute colocado no canto de Maxwell e voo de Diego Cavalieri para fazer bela defesa.

A paciência de Tenius com a postura inofensiva do time durou até os 15 minutos da fase final. Fez três trocas, duas no ataque, para ver se mudava a história do jogo. Como estava, o Cuiabá parecia apenas esperar o tempo passar para se garantir.

Tenius se rendeu a Pedro Raul e viu o atacante fazer o Botafogo "acordar" no jogo. Aos 23 minutos, o atacante cabeceou à queima-roupa e João Carlos salvou o Cuiabá.

Defesa no reflexo. Aos 29, Marcelo Benevenuto roubou a bola e partiu para frente, driblando. Rolou para Guilherme Santos, outro que saiu do banco, cruzar na cabeça de Pedro Raul. A bola raspou a trave.

Só dava Botafogo. Pedro Raul parou no travessos em sua terceira chance no jogo. Ele recebeu de Kanu e girou bonito. Mas lamentou errar o alvo por pouco. Restando 10 minutos para o fim do jogo, o Cuiabá não queria mais jogo. Jogadores caindo fazendo cera e tentando "matar" o tempo. As faltas em sequência também viraram artimanha.

O Botafogo, mais na base da garra que na tática, se lançou com tudo à frente nos minutos finais. Foram sete de acréscimos com os cariocas jogando a bola de todo jeito para a área. Guilherme Santos teve a última chance, mas João Carlos fez outro milagre e garantiu a classificação histórica para o Cuiabá.

Por Fabio Hecico, especial para a AE
Estadão conteúdo

Imprimir