Cidadeverde.com
Geral

Eleições: Exército envia tropas a 169 cidades; 2.100 militares reforçam segurança

Imprimir

Foto: Roberta Aline 

As tropas federais já estão nos municípios que solicitaram o reforço na segurança no dia da votação das eleições, que acontecerá no próximo domingo (15). Aproximadamente 2.100 militares atuaram nestas eleições. 

O Exército Brasileiro informou ao Cidadeverde.com que “as tropas garantirão a segurança das eleições em 169 municípios, de norte a sul do Estado. Além das tropas, serão designados para as Zonas Eleitorais os oficiais de ligação, que serão o elo entre a Justiça Eleitoral e os militares empregados”.

Coordenada pela 10ª Região Militar (10ª RM), a operação no Piauí empregará tropas do 25º Batalhão de Caçadores, 2º Batalhão de Engenharia de Construção e 3º Batalhão de Engenharia de Construção. A operação também contará com reforço de tropas das Guarnições de Garanhuns – PE (71º BIMtz) e Petrolina - PE (72º BIMtz).

O envio das tropas federais ocorre após o presidente da República autorizar “o emprego das Forças Armadas na Garantia da Apuração e Votação (GVA) do pleito eleitoral de 2020, por meio do Decreto nº 10.522, de 19 de outubro de 2020, após solicitação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ao Ministério da Defesa”.

“A missão consiste em contribuir para que a votação e a apuração ocorram dentro da normalidade institucional, obedecendo rigorosamente à legislação vigente e às instruções da autoridade judiciária eleitoral. A operação de GVA ocorre por meio de uma ação integrada com a Justiça Eleitoral, Órgãos de Segurança Pública (Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar), Polícia Federal, Ministério Público e Polícia Rodoviária Federal”, informa o Exército Brasileiro.

O Exército ressalta que “durante o cumprimento da missão serão adotadas todas as normas e os protocolos já estabelecidos para a prevenção da COVID-19, conforme diretrizes expedidas pelo Escalão Superior, bem como o Plano de Segurança Sanitária das Eleições 2020, expedido pelo TSE, voltadas à segurança sanitária”. 
 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

Imprimir