Cidadeverde.com
Geral

CEIR inaugura unidade pós-Covid com previsão inicial para atender 80 pacientes

Imprimir
  • gustavo_ceir_fisio.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_herlon_roberta.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_10.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_9.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_8.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_6.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_5.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_4.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_3.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • ceir_covid_rob_2.JPG Roberta Aline/Cidadeverde.com

A Unidade pós-Covid-19 no Centro Integrado de Reabilitação (CEIR) do Piauí recebeu os primeiros pacientes nesta terça-feira (17) para iniciar o tratamento das sequelas da doença em Teresina.  O Piauí é um dos primeiros estados brasileiros a oferecer esse atendimento especializado. Inicialmente, a unidade deverá atender 80 pacientes.

O superintendente da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), Herlon Guimarães, conta que a necessidade de ofertar esse tipo de serviço é mundial, pois uma parcela da população adquire a gravidade da doença. As sequelas mas comuns entre os pacientes pós-covid são: deficiência cardiopulmonar, comprometimento neurológico, perda de massa magra e fraqueza da muscular. 

“Essa parcela da população tem comprometimentos pulmonares e cardíacos. Sentimos a necessidade de recuperar essas pessoas. É um serviço de grande valia para o estado, que vai servir para a reabilitação das pessoas que tiveram a gravidade da doença, que tiveram uma longa permanência na unidade de terapia intensiva (UTI), para que elas possam conviver e a partir de agora voltar a sua vida normal”. 


Acompanhamento 

O coordenador do serviço pós-Covid no Ceir, fisioterapeuta Gustavo Lima, explica como será o acompanhamento dos pacientes, que serão avaliados mensalmente.  Gustavo Lima conta que os pacientes serão encaminhados pelos postos de saúde por meio de regulação do Sistema Único de Saúde (SUS). 

“No primeiro momento, aqui no Centro será feita a triagem com um pneumologista para saber se esse paciente é legível ou não para o tratamento.  Esse paciente passará por exames. Em um segundo momento, o paciente volta para uma consulta de admissão com o médico”.

Dessa consulta, o médico irá encaminhar para “a fisioterapia, que é a parte de habilitação cardiopulmonar e motora. Também encaminha para o nutricionista, psicologia, neurologista, caso necessite, com acompanhamento no Ceir”.

A reabilitação pulmonar terá duas fases: “a fase um será com os pacientes mais acometidos, mais debilitados, que vão passar por expansão pulmonar, terapia higiene brônquica, alongamentos com os pacientes que passaram muito tempo acamados.

“Os pacientes mais estáveis vão para a reabilitação pulmonar propriamente dita, que é a parte de atividade física para ganho de força muscular, equilíbrio e ampliar a capacidade pulmonar”. 

Parnaíba

O Centro de Reabilitação de Parnaíba também irá disponibilizar o tratamento – de forma emergencial – às pessoas com sequelas graves da Covid-19, com previsão de funcionamento por um período de 6 a 12 meses. O superintende da Sesapi esclarece que a direção está em diálogo com os profissionais aprovados na seleção e logo o serviço estará disponível para a região Norte do estado. 

 

Carlienne Carpaso
[email protected]

Imprimir