Cidadeverde.com
Política

Kleber Montezuma diz que Dr. Pessoa faz “jogo sujo” e critica “blocão”

Imprimir

Foto: RobertaAline/Cidadeverde.com

O candidato a prefeito pelo PSDB, Kleber Montezuma, subiu o tom de críticas ao adversário Dr. Pessoa. Ao falar sobre a  decisão da juíza Tânia Regina Sousa que  suspendeu o programa eleitoral do candidato Dr. Pessoa (MDB), que seria veiculado na noite desta segunda-feira (23), ele disse que o adversário joga sujo. 

“A Justiça Eleitoral já suspendeu propagando do vice prefeito dele atacando minha pessoa.  A Justiça Eleitoral já suspendeu campanha dele na televiso e no rádio atacando minha pessoa e família. Estão usando redes sociais em alguns grupos como verdadeiro esgoto para atacar a pessoa do Kleber, a ex-mulher, filhos e a atacar a família. A Justiça faz essa reparação. É uma demonstração que eles fazem um jogo sujo em um vale tudo para chegar na prefeitura. Isso não faço. Respeito a pessoa dele, o vice, a família, não me meto nessas questões. Eu respeito família”, disse. 

Kleber também questionou o resultado das pesquisas. “A decisão é da cidade de Teresina. Do povo de Teresina. Essas pesquisas de agora são as mesmas do primeiro turno. Vimos que não é nada daquilo que eles diziam. Para mim o que vale é conversar com as pessoas, olhar no olho, pedir o voto e ouvir palavras de incentivo e críticas. Temos que ter humildade para saber que errou, corrigir. Quando digo que sou renovação é porque como professor compreendo as criticas, aprendo com o erro e corrijo”, destaca. 

Segundo ele, a candidatura de Dr. Pessoa (MDB) formou um “blocão” que seria liderado pelo governador Wellington Dias (PT). Ele fala em risco de atraso dos salários. 

“Esse blocão do PT é problema. A educação do estado não existe. A saúde não existe. A da prefeitura, sim. Corremos um sério risco, a prefeitura paga R$ 100 milhões para seus funcionários. O dinheiro vai para o comerciante, o dono da loja, o shopping, o dentista, o médico, a escola, o posto de gasolina. Vai ser ruim para todos se atrasarem os salários”, afirma. 

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir