Cidadeverde.com
Esporte

Cantillo admite queda de desempenho e quer retomar a confiança no Corinthians

Imprimir

Uma das contratações do Corinthians para esta temporada que mais geraram expectativa - foi pedido pelo ex-técnico Tiago Nunes -, o volante colombiano Victor Cantillo ainda busca o seu lugar no clube alvinegro. 

Teve um bom início de ano, mas a falta de confiança, segundo ele próprio, afetou o seu rendimento em campo, principalmente após a paralisação do futebol por causa da pandemia do novo coronavírus.

"Falando da minha temporada, creio que comecei bem, com grande ritmo, com confiança. Depois, baixei um pouco esse ritmo, perdi um pouco de confiança e agora estou em busca dela novamente. Para mim, o mais importante é que estou 100% para disputar os jogos. 

Voltar a jogar solto e tranquilo. Estou conseguindo isso. Já me senti melhor fisicamente e com a bola, também. Estou melhorando. Espero estar com confiança para dar coisas boas ao time", disse Cantillo, nesta terça-feira, em entrevista coletiva

Além da queda técnica, Cantillo sofreu com a parte física. Em julho, o volante testou positivo para a covid-19 e ficou fora de ação por duas semanas. Na volta, foi notória a queda física do jogador, que falou sobre o período difícil. "Sem dúvidas me afetou. 15 a 20 dias parados que foram difíceis. Faz tempo, creio

que tenho que retomar o nível e a confiança para ajudar a equipe ao máximo. Quando peguei covid, sem dúvida me afetou bastante", afirmou.

Cantillo foi titular contra Fortaleza (último jogo do Corinthians) e Grêmio - só ficou de fora contra o Coritiba por conta da suspensão pelo terceiro cartão amarelo.

Agora, vive a expectativa de ser usado novamente no clássico deste domingo contra o São Paulo, na Neo Química Arena, na capital paulista, pela 25.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

"Clássico é clássico, um jogo à parte. Sabemos da importância desse jogo. Graças a Deus, conseguimos sair um pouco da zona de baixo da tabela.

Ainda nos falta um pouco de profundidade, intensidade no ataque para causar mais dano no rival. Estamos trabalhando forte para isso. Rival tem qualidade, é líder, mas pensamos no nosso trabalho", completou.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir