Cidadeverde.com
Geral

Entidades divulgam nota de repúdio contra ataques a direção da Adufpi

Imprimir

Foto: Yala Sena

Marli Clementino, presidente da Adufpi

Entidades – entre Núcleos de Estudos, Pesquisas, Extensão das instituições de ensino superior e centrais sindicais – divulgaram notas de repúdio aos ataques sofridos pela direção da Adufpi (Associação dos Docentes da Universidade Federal do Piauí).

No alvo dos ataques está a professora Marli Clementino, atual presidente da Adufpi. Ela informou ao portal Cidadeverde.com que vem sendo vítima de fake-news, notícias inverídicas divulgadas em redes sociais e em portal de notícia para tentar desqualificar decisões da Adufpi e lhe atingir.

Assinam a nota de repúdio mais de 13 entidades como o Núcleo de Estudos, Pesquisas em Políticas e Gestão da Educação. O Núcleo existe há 20 anos, composto por estudiosos e pesquisadores de políticas educacionais com atuação na Ufpi, Uespi (Universidade Estadual do Piauí), Ifpi (Instituto Federal do Piauí), Seduc (Secretaria Estadual de Educação) e Semec (Secretaria Municipal de Educação). Reiteram o apoio a professora Marli, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e a CSP Conlutas do Piauí.  

O documento pede respeito a história da Adufpi e classifica os ataques  como “tendenciosos”, “machista” e “preconceituoso”.

“Entendemos o ataque direto como um ato de machismo, misoginia e profundo preconceito de gênero, vez que a professora  enquanto representante de um coletivo não tem autonomia para tomar decisões de forma isolada”, diz a nota.

Marli reiterou o compromisso da Adufpi com gestão democrática, autonomia das universidades, ensino gratuito e de qualidade.

“Nós veementemente repudiamos qualquer ação que seja mentirosa, caluniosa e que desrespeita todo um coletivo”, disse.

A Adufpi, em assembleia geral, decidiu esclarecer a sociedade sobre o processo de escolha do novo reitor e levantar o debate sobre as decisões e os impactos para a vida acadêmica.

“É importante deixar claro que não se trata de uma posição pessoal, nem da presidência, nem da diretoria, mas a decisão da categoria tomada em Assembleia geral. A reunião reiterou os mecanismos democráticos que vimos construindo na sociedade, que é a gestão democrática, a autonomia universitária, que está na Constituição Federal. Pra isso, a categoria discutiu em 5 horas de assembleia e decidiu realizar algumas ações  para dialogar com a sociedade piauiense e a sociedade acadêmica”, afirmou Marli Clementino.


Assista o vídeo com os esclarecimentos da presidente da Adufpi: 

 

Flash Yala Sena
[email protected]

Imprimir