Cidadeverde.com
Geral

Carnaval: vacinação não é 'passe livre' para aglomerar e Sesapi reforça barreiras sanitárias

Imprimir
  • buscaativa_sesapi_1.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_2.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_3.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_4.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_5.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_6.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_7.JPG Sesapi
  • buscaativa_sesapi_9.jpg Sesapi

O início da vacinação contra a Covid-19 no Piauí – assim como nos outros estados brasileiros – não é um “passe livre” para a aglomeração de pessoas, ainda mais nesse período carnavalesco. Equipes do Programa Busca Ativa, da Secretaria Estadual de Saúde (Sesapi), intensificaram os trabalhos nas barreiras sanitárias para reforçar o enfrentamento da pandemia neste “sábado de carnaval”. As barreiras foram reforçadas nas rodoviárias e na planície litorânea. 

A gerente de atenção básica da Sesapi e coordenadora do programa Busca Ativa, Dília Falcão, disse ao Cidadeverde.com que a movimentação nas rodoviárias diminuiu em relação ao número registrado no ano passado, mas, ainda assim, muitas pessoas passaram pelos terminais, sendo que muitos passageiros foram flagrados sem a máscara de proteção. 

As equipes estiveram presente nos terminais rodoviários de Teresina, Parnaíba, Cajueiro da Praia, Barra Grande e Luís Correia. Tradicionalmente, essas são algumas das cidades que mais recebem turistas no período carnavalesco. “Não é feriado, mas muitas pessoas usam esse período para viajar”.

Dilia Falcão comenta que o início da vacinação não pode ser considerado por muitos como um “passe livre” para aglomeração. “São vidas. Cada pessoa reage de uma forma diferente (à infecção). Uma pessoa pode não ter sintomas, mas outras vão a óbito”.

“A vacina agora que começou para os grupos prioritários. Muitos ainda vão receber a segunda dose para ficarem imunizados. O nosso trabalho de orientação continua”.

COVID-19: principais números até sexta (12/02)
3.175 mortes  
165.319 casos confirmados
513 internados = 196 em UTIs // 293 em leitos clínicos // 24 em leitos de estabilização.
161.851 altas médicas
Vacinômetro: 1ª dose: 55.546
Vacinômetro: 2ª dose: 159


Manter os cuidados

A coordenadora ressalta que todos precisam continuar com os cuidados essenciais para evitar a infecção e a transmissão do novo coronavírus, como usar a máscara, evitar aglomerações e respeitar o distanciamento social. Dilia Falcão acrescenta que as pessoas já vacinadas também precisam respeitar as medidas, pois mesmo vacinadas correm o risco de levar o vírus até outra pessoa. 

“Os cuidados precisam ser mantidos: você pode está imunizada, mas pode levar (o vírus) para outra pessoa. O uso da máscara e o distanciamento social são fundamentais nos cuidados contra o coronavírus, que continua circulando entre nós”, diz.

Se no momento da abordagem a equipe do Busca Ativa localizar uma pessoa com sintoma característico da Covid-19, ela é orientada a ir ao hospital de referência mais próximo para dar andamento ao tratamento necessário.  

O vacinômetro, ferramenta do Governo do Piauí que acompanha a evolução da campanha de vacinação contra a Covid-19 no estado, aponta que, até sexta (12), somente 55.546 pessoas receberam a primeira dose de vacina no estado e 159 receberam a segunda dose do imunizante. 

Diferente de outros carnavais, as festas carnavalescas em 2021 estão proibidas no estado devido a pandemia do novo coronavírus; uma tentativa do Governo do Estado de reduzir a circulação do vírus no Piauí. 

“Nossas equipes estão atuando nas barreiras e precisamos que a população colabore com nosso trabalho. Sigam as medidas higiênicas, respeitem o distanciamento social e evitem aglomerações, tudo isso ajuda o Estado como um todo no enfrentamento a pandemia”.

Foto: Sesapi


 


Busca Ativa

O programa Busca Ativa, de acordo com a Sesapi, é uma ação que conta com o "trabalho conjunto da vigilância sanitária e visa combater a disseminação do vírus com o trânsito de pessoas entre municípios".

A Sesapi explica que “a ação tem a capacidade de identificar precocemente possíveis casos da doença (Covid-19), permitindo, dessa forma, que aconteça o tratamento precoce para cada situação, além de evitar o contagio de outras pessoas”. Com isso, a expectativa é de reduzir o surgimento de novos casos e o impacto que eles teriam na rede estadual de saúde, caso ficassem mais grave com a necessidade, por exemplo, de leitos de unidade de tratamento intensivo (UTI). 

O secretário de estado da saúde, Florentino Neto, comenta que essas ações são essenciais nesse momento. O gestor também pede que a população colabore e adotem as medidas de prevenção ao vírus. 

“Tivemos a suspensão das festividades de carnaval por decreto, mas ainda precisamos ficar atentos para situações que possa gerar uma disseminação de casos. A vacina já está entre nós, mas é preciso manter todos os cuidados e medidas de higiene que vinham sendo reforçado até agora. Não podemos dar trégua para o vírus e precisamos da colaboração da população, para que junto possamos vencer essa batalha”.

 

Carlienne Carpaso
[email protected] 

 

Imprimir