Cidadeverde.com
Esporte

Após 10 meses como hospital de campanha, Complexo de Badminton é reaberto ao esporte

Imprimir
  • badminton_-20.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-19.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-18.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-17.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-16.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-15.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-14.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-13.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-12.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-11.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-10.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-9.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-8.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-7.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-6.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-5.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-4.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-3.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_-2.jpg Roberta Aline / Cidade Verde
  • badminton_.jpg Roberta Aline / Cidade Verde

Depois de quase um ano, o Complexo de Badminton do Piauí localizado dentro da UFPI (Universidade Federal do Piauí) volta a ser casa da modalidade. O local estava sendo utilizado como hospital de campanha para tratar pacientes com Covid-19 e foi desmontado há cerca de um mês. Durante esse período, o trabalho girou em torno de entregar o local higienizado e oferecer segurança no retorno dos atletas do estado. Hoje (15) foi o primeiro dia de atividades que irão voltar a acontecer todos os dias da semana, mas com uma série de protocolos e restrições. 

“A nossa maior preocupação tendo em vista o pedido da Confederação de ter o espaço o quanto antes para o uso do espaço priorizamos a desmontagem de toda a estrutura temporária do complexo esportivo e os fechamentos gerais, mas ainda temos pequenas pendências especialmente retoque de pinturas, sistema de ar-condicionado e em relação a iluminação, pois querendo ou não apesar da gente não ter feito alterações o hospital funcionou 24 horas”, Karoline Bastos, gerente de engenharia e arquitetura. 

Os atletas de badminton do estado ficaram quase 11 meses parados e o que gera uma série de dificuldades para essa retomada. A técnica da Seleção Brasileira Júnior, piauiense Norma Rodrigues, destaca o trabalho de pré-temporada realizada nos últimos meses irá ajudar bastante e que no momento o sentimento maior é de gratidão. 

“Primeiramente é algo que nos deixou extremamente felizes e essa euforia não pode atrapalhar nossa prudência porque a gente está em uma pandemia, mas do que o entusiasmo dessa molecada em querer voltar é voltar com segurança para não precisar parar. Até porque não tem nada certo, pois todo dia estamos descobrindo coisas novas”, frisou Norma. 

Para os atletas o dia de hoje era o mais aguardado dos últimos meses. Voltar a treinar traz a luz de voltar a competir, o que muitos deles buscam, pois, alguns possuem chances reais de estar nas Olimpíadas de Tóquio (2020/2021). “Desde outubro estamos fazendo uma pré-temporada fantástica com o pessoal do crossfit e esses meninos não pararam. Porquê? Nos temos duas duplas; Samia (Lima) e Jaqueline (Lima) quanto a mista com Jaqueline e Fabricio (Farias) são segundo da américa e os campeonatos retomando agora na américa em março ou abril e eles retornando ao circuito novamente temos sim chances reais de beliscar essa vaga”, conta Norma Rodrigues. 

“Eu estou muito feliz. Faz 11 meses que não pisamos em quadra, não pegamos em uma raquete e voltar para cá nesse ginásio de qualidade que foi nosso sonho desde pequeno é muito gratificante. É abraçar oportunidade para não precisar parar novamente. A gente sente um pouco de medo, pois era triste a situação das pessoas que estavam aqui semanas atrás, me sinto um pouco inseguro, mas vamos seguir os protocolos todos certinhos”, diz Fabrício Farias. 

Com protocolos de aferição de temperatura, álcool em gel frequente, apenas três atletas por quadra e média de seis horas diária de treinos eles retornam às atividades diárias. O objetivo é conseguir compensar o tempo em casa, mas com toda segurança possível. A expectativa é que no mês de março aconteçam as primeiras competições nacionais e internacionais. 

Pâmella Maranhão 
[email protected]

Imprimir