Cidadeverde.com
Política

Sem vereadores, aliado de Dr. Pessoa não é aprovado para Arsete

Imprimir
  • Untitled-11.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-10.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-9.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-8.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-7.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-6.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-5.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-4.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-3.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-2.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com
  • Untitled-1.jpg Roberta Aline/Cidadeverde.com

Atualizada às 12h17

Os vereadores de Teresina não aprovaram a nota de repúdio contra o vice-prefeito Robert Rios (PSB), mas em compensação, também não aprovaram o nome do advogado Márcio Alan Cavalcante para a presidência da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Saneamento (Arsete). Na manhã de hoje, a base não ficou no plenário e o prefeito não conseguiu os 15 votos para a aprovação.

O líder do prefeito na Câmara Municipal, vereador Renato Berger (PSD), tentou conseguir os 15 votos, mas não conseguiu encontrar  dois vereadores para fechar a conta. Com isso, Márcio Cavalcante foi sabatinado, mas não teve o nome aprovado. A aprovação ficará para a próxima semana. 

Um dos motivos seria a presença do filho de Dr. Pessoa, o advogado João Duarte, o Pessoinha, no plenário. Os vereadores não gostaram e alguns afirmam que se sentiram afrontados. A indicação do advogado seria da cota de Pessoainha. Ele é apontado como responsável pela indicação.  A presença dele foi vista como pressão. 

A não aprovação foi vista como uma espécie de resposta ao episódio em que o vice-prefeito apresentou uma lista com os vereadores que mais indicaram terceirizados para a prefeitura. A sessão foi encerrada pelo presidente Jeová Alencar (MDB) sem a aprovação do aliado do prefeito  Dr. Pessoa.

O episódio é visto como mais um capítulo na relação  entre a Câmara e a prefeitura. 

Atualizada às 12horas

A Câmara de Teresina realiza a sabatina do novo presidente da Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos de Teresina (Arsete). O advogado Márcio Allan Cavalcante responde a perguntas dos parlamentares para comandar a pasta pelos próximos três anos.

A Arsete foi criada na gestão do ex-prefeito Firmino Filho (PSDB) e era comandada pelo ex-vereador Evaldo Marques (PSB). Ele ainda tinha dois anos de gestão, mas pediu exoneração após a eleição de Dr. Pessoa. 

Segundo ele, a decisão foi para deixar a atual gestão à vontade para escolher o novo gestor. Ao iniciar a sabatina, Márcio Allan falou do desejo de aumentar a visibilidade da Arsete.

"Vamos continuar prestando um bom serviço e um bom trabalho. Temos boas metas para Teresina ter uma melhor prestação de serviço. A nossa principal meta é tornar a Arsete mais conhecida. Garantir maior visibilidade para a empresa porque hoje ela não é tão conhecida pela sociedade", afirmou.

Segundo Márcio Allan, a meta é dobrar a cobertura da rede de esgoto nos próximos quatro anos.

"Temos o Plano Municipal de Saneamento Básico que traz essas metas. Temos em torno de 32% de rede de esgoto na cidade. Queremos dobrar nos próximos quatro anos", disse.

Como era esperado, a sabatina corre de forma tranquila sem grandes embates. 

 

 

Flash de Lídia Brito
[email protected]

 

Imprimir