Cidadeverde.com
Geral

Enfermeiros denunciam cortes nos salários e ameaçam parar atividades em Teresina

Imprimir

Foto: RobertaAline/CidadeVerde.com

Os profissionais de enfermagem da Fundação Municipal de Saúde preparam uma paralisação na terça-feira (02). A categoria afirma que tiveram 50% do valor dos plantões e de 20% da insalubridade cortados no setor Covid-19. Os servidores já haviam protestado no mês de janeiro sobre o mesmo impasse. 

O presidente  Sindicato, Erick Riccely, classificou os cortes como um “assalto”. Segundo ele, a justificativa apresentada pela prefeitura não corresponde à realidade. 

“Hoje no dia 27 de fevereiro, os profissionais de enfermagem receberam seus contracheques que foram assaltados pela Prefeitura de Teresina. Os contracheques foram cortados pela metade. Os plantões que eram um pouco mais de R$ 200, foram cortados pela metade para os técnicos, veio apenas R$ 100, dos enfermeiros também. Corte do valor que era repassado para os profissionais da atenção básica, com uma alegação estúpida dizendo que o programa acabou, quando ele foi substituído por um programa que os recursos são três vezes mais. Corte de insalubridade do setor covid-19, que agora é pago pela metade. Quando falamos, se pensa que são valores absurdos. Mas corte de R$ 200 em uma insalubridade, é muito alto para um profissional que ganha pouco mais de um salário mínimo”, afirmou.

O sindicato convoca os profissionais para uma manifestação na porta da prefeitura, nesta segunda-feira (01). 

“Por isso, essa paralisação vai acontecer. Na segunda faremos ato na prefeitura. Essa paralisação afetará toda a saúde vinculada a Fundação Municipal de Teresina”, afirmou. 

Em nota, a Fundação Municipal de Saúde nega redução de salários dos profissionais que trabalham na área da saúde.

“A Fundação Municipal de Saúde informa que não teve redução real de salários dos profissionais que trabalham na área da saúde de Teresina. Os salários, insalubridade e plantão estão sendo pagos rigorosamente em dia. O que houve foi o fim do acréscimo temporário(até dia 31 de dezembro de 2020)  de 20%  no valor da insalubridade que foi autorizado em  pelo Governo Federal,através do Ministério da Saúde,com aporte de recursos específico para essa finalidade. No caso de segundo turno, também está sendo pago para os servidores cujos setores comprovem a necessidade. A FMS informa ainda que todas as medidas foram discutidas com as diretorias e informadas ao sindicato da categoria”, diz nota.

Lídia Brito
[email protected]

Imprimir