Cidadeverde.com
Geral

Covid: 97% das escolas afirmam que contágio ocorre fora da instituição, diz Sindicato

Imprimir


Relatório aplicado em 33 instituições particulares aponta que a maioria dos casos registrados da Covid-19 não ocorreu com a infecção em ambiente escolar. Das 33 escolas, 63.6% chegaram a registrar pelo menos um caso da doença. O relatório foi aplicado pelo Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Piauí (Sinepe) e o Cidadeverde.com teve acesso ao documento. Com os dados em mãos, o sindicato defende que o índice de transmissão da doença dentro da escola foi de "quase zero" nos dois primeiros meses desse ano.
A pesquisa contou com a participação de 33 instituições particulares. 
As instituições relatam que não encontraram dificuldades no cumprimento do protocolo de segurança para a reabertura das escolas.
Após o início das aulas: 63.6% das escolas registram casos da Covid e 36.4% não tiveram casos até o momento.
As escolas que tiveram casos positivos registraram de um a três casos. 
Nas escolas com registro de Covid: 97% afirmam que o contágio ocorreu fora da instituição.

As aulas presenciais foram retomadas em janeiro de 2021. Elas estavam suspensas por causa da pandemia da Covid-19, que tiveram os primeiros registros de casos confirmados no estado em março de 2020. 
 
O presidente do Sinepe, professor Marcelo Siqueira, comenta que o relatório foi aplicado na quarta-feira (03). O professor ressalta que as suspeitas e os casos confirmados são repassados aos membros do Comitê de Operações Emergenciais do Governo do Estado do Piauí. 

“A transmissão dentro da escola foi um caso ou outro. Temos o índice quase zero. Sempre repasso situações em que a escola está cumprindo o protocolo. Sempre que há uma suspensão de aula, uma criança que vai para casa. Suspender as aulas, que é o mais difícil, mostra que as escolas são responsáveis e evitam a transmissão do vírus dentro da escola”.
 

Atividade Essencial 

Com o novo decreto do Governo do Estado (Nº 19.494), as escolas poderão continuar com as aulas presencias e remotas. 
 
“Nós entendemos que a escola é uma atividade essencial. Nós entendemos que as escolas (devem) ser as últimas a fechar e as primeiras a reabrir, caso isso seja preciso acontecer”, diz o professor sobre o fechamento das atividades para conter a disseminação do novo coronavírus no estado.
 
Siqueira ressalta que o sindicato acompanha os projetos de Lei que busca tornar a Educação uma atividade essencial. “Temos acompanhado um projeto de Lei que já passou na Câmara Municipal (de Teresina) e está dependendo da assinatura do atual prefeito”. Nessa semana, o sindicato também acompanha a tramitação de um projeto de Lei na Assembleia Legislativa. 

Marcelo Siqueira acrescenta que o protocolo do Governo do Estado é claro: os pais ou responsáveis podem optar pelas aulas presenciais ou remotas nas escolas particulares. 

“As escolas estão obrigadas a manterem as aulas remotas. Isso vem funcionando muito bem. Quem não quer, não vai para a escola. As aulas presenciais estão funcionando muito bem, sem perigo. Não precisa ter essa discussão. As aulas atendem aos dois públicos: quem quer e quem não quer presencialmente”.
 
Carlienne Carpaso
Imprimir