Cidadeverde.com
Economia

Covid completa um ano de efeitos no mercado de trabalho

Imprimir

Foto: Roberta Aline

 

O mercado de trabalho formal completou um ano sob os efeitos da Covid-19 registrando consequências distintas entre os setores e, no cômputo geral, um crescimento de empregos com carteira assinada. Houve fechamento de vagas em serviços, principal empregador do país, mas áreas como indústria e construção mais do que compensaram os cortes e garantiram o saldo positivo.

No total, o mercado formal medido pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) mostrou resiliência e abriu 412 mil vagas de forma líquida (contratações menos demissões) nos 12 meses terminados em fevereiro.

O Caged mede apenas os contratos regidos pela CLT. Dados do IBGE, que englobam também o mercado informal mostram que a taxa de desocupação ficou em 13,5% em 2020, maior percentual em toda a série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012.

No Caged, o único setor impactado de forma negativa no período foi o de serviços, que depende mais fortemente da circulação de pessoas e fechou 107 mil vagas no período em meio às restrições de atividades e o isolamento social. Mas o setor não viu um fechamento de vagas de forma em todos os seus segmentos. Dentro do grupo, prejudicaram os números principalmente as áreas de alojamento e alimentação (corte de 267 mil postos em um ano), educação (119 mil) e transporte, armazenagem e correio (53 mil).

Por outro lado, abriram vagas em serviços atividades como as administrativas (164 mil postos abertos) e as de informação e comunicação (mais 35 mil), que englobam empregados que conseguem trabalhar à distância ou que servem de suporte a esses profissionais. Também foram contratados profissionais de saúde humana (mais 139 mil postos).

O grande campeão nos 12 meses da Covid foi o setor da indústria, com abertura de 175 mil vagas (puxadas sobretudo pela indústria da transformação). Construção veio em seguida, com 133 mil vagas.

Bruno Imaizumi, economista da LCA Consultores, diz que as fábricas foram impactadas principalmente no começo da crise, mas começaram a se recuperar em grande parte por uma demanda alimentada pelas medidas do governo como o auxílio -que destinou quase R$ 300 bilhões à população e estimulou o consumo de bens duráveis.

Já a construção foi beneficiada por ter sido considerada uma atividade essencial, com funcionamento protegido pelos decretos sanitários, e pela demanda do auxílio emergencial. "Foi um setor que praticamente não parou."

Fator considerado fundamental pelos especialistas para a preservação dos números na crise é o programa de manutenção de emprego, que permitiu corte temporário de salários e jornadas ou suspensões de contrato em troca de um benefício do governo ao profissional afetado.

Todas as regiões abriram vagas, mas o Sudeste ficou na lanterna, com um terço do desempenho do campeão Sul. Para Imaizumi, o estágio do contágio em 2020 (mais brando no Sul, com menos necessidade de restrições) levou a essa discrepância.

Os número continuam mostrando aceleração na abertura de vagas em fevereiro com 401,6 mil postos de trabalho criados. O Ministério da Economia já dá como certo o impacto das ações de isolamento nos dados a serem vistos nas próximas divulgações.

Houve saldo positivo nos cinco setores, liderados por serviços (abertura de 173,5 mil postos). Em seguida, ficaram indústria (93,6 mil), comércio (68,1), construção (43,4 mil) e agropecuária (23,1 mil).

De acordo com o ministério, os números foram impulsionados por uma melhora na economia, por medidas do governo e também por um movimento sazonal em fevereiro -que tradicionalmente mostra melhora em serviços.

Paulo Guedes disse que o mercado de trabalho formal está se recuperando em altíssima velocidade e que o país está no caminho certo da recuperação da atividade, mas defendeu a vacinação da população para a atividade se recuperar de maneira firme.

Bruno Bianco, secretário especial de Previdência e Trabalho, afirmou que a nova fase de fechamento de atividades por causa do avanço da pandemia traz preocupações e que será natural ver impacto no mercado de trabalho.

"Pode, sim, ter piora, é natural. Houve um fechamento [de atividades] mais expressivo. Isso nos preocupa enquanto gestores e brasileiros", afirmou. "Certamente, teremos os números caindo e, mais do que tudo, pessoas com possibilidade de perder emprego. Essa é nossa luta, para que possamos evitar isso."

Para mitigar os impactos da crise, a equipe econômica prepara a recriação do programa de manutenção de emprego. A adesão ao programa foi encerrada no ano passado e a medida ainda não foi relançada porque o desenho proposto pela Economia foi barrado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A ideia era cortar recursos do seguro-desemprego para assegurar a permanência do trabalhador na empresa, o que transformaria a medida em uma espécie de "seguro-emprego". Mas a ala política do governo convenceu Bolsonaro de que a medida poderia gerar críticas.

Por isso, o programa deve ser relançado por meio de crédito extraordinário -que fica fora do teto de gastos. Mas há insegurança jurídica na equipe econômica sobre a possibilidade de lançar o instrumento (que ficaria em torno de R$ 10 bilhões) antes de estarem concluídos os trâmites do Orçamento de 2021, que por sua vez está diante de um impasse jurídico para a sanção.

"Está demorando um pouco porque temos uma questão. Temos vários pontos fiscais a serem avaliados", afirmou Bianco. "Ainda que lancemos mão de crédito extraordinário, existe a preocupação de que não teremos a segurança necessária. Porque você poderia ter o espaço para fazer dentro do Orçamento e o crédito, constitucionalmente falando, está fora do Orçamento. E se não temos o Orçamento, isso cria uma insegurança para tudo isso".



Fonte: Folhapress, por Fábio Pupo

Imprimir