Cidadeverde.com
Esporte

Vasco encara o Madureira e defende invencibilidade de treinador

Imprimir

Marcelo Cabo não foi uma escolha do Vasco feita ao acaso. O clube buscava um treinador com experiência na Série B e que também apresentasse características ofensivas em seus trabalhos.

O encontro entre o desejo cruz-maltino e o desafio que o técnico teria pela frente foi suficiente para o casamento ser sacramentado. 

E, após dois meses no comando da equipe vascaína, ele já apresenta alguns pontos positivos em sua jornada. Entre eles, o fato de ter utilizado 21 jogadores formados nas divisões de base.

Até o momento, o Vasco vem conseguindo ter mais posse de bola e finalizações na maioria das partidas que disputou, o que vai de encontro ao que desejava o diretor-executivo de futebol, Alexandre Pássaro.

Além disso, o treinador ostenta invencibilidade de 11 partidas, a maior do Cruz-Maltino desde 2010. São cinco vitórias e seis empates até aqui.

O treinador tenta dar sequência a esse bom momento na Taça Rio, que servirá para o clube como um laboratório para o restante da temporada. A estreia acontece neste sábado (1º), às 15h15, contra o Madureira no estádio da Rua Conselheiro Galvão.

A Taça Rio é disputada em duelos de ida e volta pelos clubes que ficaram de quinto a oitavo lugar na Taça Guanabara -os quatro primeiros decidem o título do Campeonato Carioca. O outro confronto da Taça Rio será entre Botafogo e Nova Iguaçu.

Como ponto negativo do trabalho de Cabo está o fato de não ter conseguido avançar às semifinais da Taça Guanabara. 

Porém, vale ressaltar que nas duas primeiras rodadas, quando foi derrotado pelos semifinalistas Portuguesa e Volta Redonda, Marcelo Cabo ainda não havia estreado e o time que entrou em campo foi composto integralmente pelo sub-20, incluindo a comissão técnica, algo que acabou pesando na pontuação final.

Na Copa do Brasil, já sob o comando de Cabo, o Vasco passou por Caldense (MG) e Tombense (MG). Agora, na terceira fase da competição, enfrentará o Boavista (RJ).

Outro ponto que chama a atenção é a utilização de 21 jogadores formados nas divisões de base do Vasco, sendo que alguns deles já apresentam destaque, como os atacantes Gabriel Pec e MT e o meia Matías Galarza.

Na avaliação de Cabo, esta mescla dos mais jovens com os experientes poderá ser uma fórmula de sucesso para o Vasco na temporada.

"Quero ressaltar que eles [os jovens] não vão ser a solução do Vasco, mas esse equilíbrio com os jogadores mais experientes. O Rômulo está chegando também, hoje o Léo Jabá pode dar essa sustentação para o Figueiredo e outros jogadores... É o equilíbrio que a gente tem buscado para que possamos ter uma equipe competitiva mesclando a experiência desses jogadores."

Marcelo Cabo tem recebido muitos elogios dos jogadores do Vasco. Léo Jabá, por exemplo, que jogou na Grécia e na Rússia, declarou ao UOL Esporte que vê o treinador com características europeias. O artilheiro Germán Cano também foi outro que já enalteceu o técnico.

Cabo, aliás, também tem chamado a atenção em seus discursos no vestiário. Após a vitória por 3 a 1 sobre o Resende, por exemplo, chamou os jogadores de filhos, conforme revelou vídeo de bastidor da VascoTV.

"Às vezes, com meus filhos, quando eles eram pequenos, tinha que ser rude com eles porque a gente escolhe um caminho, cria o filho para ter o melhor caminho, e hoje tive que ser um pouco mais severo pois tenho vocês como meus filhos", disse o treinador, num contexto onde lembrava puxão de orelha que deu no time após irem para o intervalo com empate em 1 a 1.

Para encarar o Madureira, o Vasco levará a campo seus principais jogadores, inclusive tendo o retorno do meia-atacante Gabriel Pec e do zagueiro Ernando. Os desfalques são o lateral direito Léo Mattos, suspenso, e os atacantes Vinícius e Talles Magno, contundidos.

BRUNO BRAZ
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS)

Imprimir