Cidadeverde.com
Esporte

São Paulo segura empate na Argentina e mantém liderança na Libertadores

Imprimir

O São Paulo manteve nesta quarta-feira a liderança do Grupo E da Copa Libertadores, mas deixou de ser 100%. Empatou por 0 a 0 com o Racing, em Buenos Aires, numa partida em que o time teve dificuldade de impor seu jogo e demonstrou cansaço. Após três rodadas, a equipe brasileira tem sete pontos na chave, contra cinco dos argentinos.

Nesta quarta, o São Paulo apresentou problemas que não costuma ter sob o comando de Hernán Crespo. Errou passes em demasia e teve muita dificuldade para criar jogadas. O time deu sinais de cansaço em consequência da maratona de jogos. E a saída de Luciano e de Dani Alves no segundo tempo por sentirem dores musculares exemplifica bem a situação.

O jogo consolidou o experiente Miranda como titular na equipe de Crespo. Ele entrou no time contra o uruguaio Rentistas porque Léo estava suspenso, foi escalado no clássico contra o Corinthians pelo Paulistão e nesta noite foi mantido na equipe.

A primeira investida do São Paulo mostrou como a ofensividade dos alas é importante no time de Crespo. Reinaldo avançou pela esquerda e cruzou para Dani Alves, que estava na grande área mas chegou atrasado.

O lado esquerdo, aliás, logo se mostrou a melhor alternativa para o São Paulo atacar o Racing. Assim, aos 7 minutos, Reinaldo avançou de novo e cruzou do fundo. Pablo fez o corta-luz e Luciano finalizou de primeira, mas Árias evitou o gol com uma grande defesa.

O Racing tinha preocupações defensivas, mas não abdicava de tentar o gol. E quase conseguiu aos 15 minutos. Após bola levantada na pequena área, os atacantes do time argentino fizeram tabela de cabeça, Pizatti chutou na direção de Sigali, que e chutou. A bola bateu no travessão e bateu em cima da linha, para sorte do São Paulo.

Um problema do São Paulo eram os erros de passe. Isso, além de dificultar a criação de jogadas, permitia ao Racing roubar a bola e atacar. Quando a ação argentina era pelo chão, a defesa brasileira conseguia levar vantagem. Nas bolas pelo alto, porém, os jogadores do Racing costumavam complicar.

Quando conseguia colocar velocidade nas jogadas, o São Paulo levava dificuldades à defesa do Racing. Numa dessas investidas, Luciano foi derrubado por Piatti nas proximidades da área. Dani Alves cobrou muito bem a falta, aos 40 minutos, mas a bola acabou batendo no travessão.

A segunda etapa começou com os times cometendo muitas faltas, algumas bastante duras, a exemplo do que ocorreu no primeiro tempo. E o São Paulo, pelo menos, passou a tentar controlar a falta de paciência na construção das jogadas que caracterizou a atuação do time nos 48 minutos iniciais.

As primeiras chances na etapa foram do Racing, sem grande perigo, e o São Paulo, quando teve a sua aos 6 minutos, poderia ter tido melhor sorte se Luciano não tivesse optado por tentar cavar o pênalti - sem sucesso, obviamente.

A favor do atacante, o fato de que desde o fim da etapa inicial ele estava sem suas melhores condições, pois sentiu um problema aparentemente na coxa.

Luciano acabou pedindo para sair e foi substituído por Gabriel Sara, de volta à equipe após se recuperar de contusão - ele ainda não havia jogado desde a retomada do futebol no Estado de São Paulo. Pouco depois, Dani Alves também sentiu um desconforto na coxa e também deixou o jogo.

O Racing passou a pressionar com mais afinco e, como o jogo estava ríspido e o juiz distribuía vários cartões, Crespo optou por tirar Bruno Alves e Luan, que estavam "amarelados", para evitar o risco de expulsão. 

Não deu certo, porque William foi expulso menos de 10 minutos depois de entrar, num lance em que o juiz errou, pois o volante não atingiu o adversário como ele considerou.

Com um a menos, o São Paulo tratou de segurar o empate. Graças a Volpi, que fez grande defesa aos 49 minutos, num lance cara a cara com Godoy.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir