Cidadeverde.com
Geral

Motoristas de duas empresas de ônibus paralisam atividades por atraso de salários

Imprimir

 

Motoristas e cobradores das empresas Emtracol e Transfácil do consórcio Teresina, que circulam na zona Sudeste, paralisaram as atividades nesta quarta-feira(19) em protesto contra o atraso dos salários, há quase cinco meses. 

De acordo com o secretário de previdência do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário do Piauí (Sintetro), Francisco Sousa, as duas empresas foram as únicas que, até o momento, não cumpriram o acordo realizado junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT). 

“Eles fizeram o compromisso de pagar e até o momento não cumpriram. Os trabalhadores estão recebendo na diária, só quando são escalados para trabalhar. Mas nosso contrato é de mensalista, tem que pagar o salário mensal e não estão recebendo. Tem trabalhador ganhando menos de meio salário mínimo por mês”, destacou Sousa. 

Ele disse que são mais de 100 trabalhadores que estão prejudicados e por isso decidiram pela paralisação. 

“Temos uma reunião às 16 horas com o líder do consórcio, vamos ouvir a proposta, mas vamos exigir o pagamento imediato, porque temos trabalhadores passando fome. Dependendo do resultado que tivermos, se não atender, vamos chamar a categoria para votar o indicativo de greve”, destacou Francisco Sousa. 

Desde que começou a pandemia, com a suspensão da circulação de ônibus ainda no ano passado, o sistema vem sofrendo várias instabilidades e prejuízos financeiros, tanto da classe patronal quanto dos trabalhadores. 

Uma investigação foi aberta pela Câmara dos Vereadores de Teresina, através da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI), para apurar possíveis irregularidades do sistema. 

Na abertura dos trabalhos, o presidente do Sintetro, Ajuri Dias, foi o primeiro a prestar depoimento e revelou que cerca de 70% dos trabalhadores foram depoimentos na pandemia.  

Setut envia nota

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) esclarece que tem enfrentado problemas no setor, como a queda na arrecadação de recursos e redução de passageiros transportados. As dificuldades no sistema atualmente estão aumentando e diante disso, os seis carros da empresa Emtracol, que atende a Zona Sudeste foram impedidos hoje pelo movimento grevista de saírem das garagens. 

A entidade reitera que a frota das demais empresas continuam em operação. O Setut informa ainda que está em busca de soluções efetivas para o controle de crise no sistema e que depende de repasses financeiros, vigentes em contrato, da Prefeitura de Teresina, para evitar um colapso no setor.

 

Caroline Oliveira
[email protected]

Imprimir