Cidadeverde.com
Política

João Henrique diz que impasse na cultura é "episódio vencido"

Imprimir

 

O secretário municipal de Planejamento, João Henrique Sousa, afirmou nesta quinta-feira (20) que o impasse entre a Prefeitura de Teresina e as associações que administram a Orquestra Sinfônica e o Balé da Cidade é um "episódio vencido". Segundo ele, a situação já está pacificada após a definição de que o atual modelo de gestão será mantido até o mês de dezembro. 

Ontem, representantes dos projetos culturais participaram de mais um encontro com o secretário de Finanças e vice prefeito, Robert Rios, e com o presidente da Fundação Municipal Monsenhor Chaves, Sheyvan Lima. Durante a conversa, questões relacionadas à transição dos modelos foram discutidas. 

"O que ocorre é que existem novas ideia de uma nova administração. Como Doutor Pessoa sempre nos diz, não estamos na Prefeitura para inventar a roda, mas temos que usar pneus novos. Quando Doutor Pessoa se elegeu, se elegeu porque a população disse que queria um novo modelo de administração. Essa nova visão foi o que permeou as ideias do secretário Robert, porque ele entende que a Prefeitura tem capacidade de gerir toda essa estrutura cultural. É natural que essas alterações ocorram em uma nova gestão", avaliou João Henrique. 

A polêmica entre a gestão municipal e a classe artiística teve início na semana passada, após a Prefeitura anunciar que pretende encerrar os contratos com a Associação dos Amigos da Orquestra e a Associação do Balé da Cidade de Teresina, que recebem mensalmente repasses para gerenciar os projetos culturais. 

CPI do Transporte

O secretário de Planejamento também fez uma avaliação sobre o andamento da CPI do Transporte Público na Câmara Municipal de Teresina. Para ele, os trabalhos do legislativo municipal podem resultar em uma definição sobre os rumos do sistema de transporte coletivo da capital 

"Alguma coisa tinha que acontecer, e aconteceu o surgimento da CPI. Vamos ver quem tem razão, se os empresários no recebimento daqueles recursos, ou a prefeitura ao achar que não deve aquela quantidade recursos. Definido isso, a parte que for vencida tem que aceitar o resultado", avaliou. 

 


Natanael Souza
[email protected] 


 

Imprimir