Cidadeverde.com
Geral

Presos suspeitos de provocar tiroteio no Grande Dirceu e gravar ação

Imprimir

O Grupo de Apoio Operacional (GAO), da Polícia Civil do Piauí, prendeu três suspeitos de provocar um tiroteio no Monte Horebe, na região do Grande Dirceu. Nas imagens, eles aparecem com armas caseiras e gravam a ação enquanto parecem perseguir rivais. No vídeo um deles diz: "nóis tem que derrubar logo". Na sequência, os bandidos aparecem correndo em plena via pública e efetuam vários tiros.

Com o vazamento das imagens, policiais civis e militares fizeram incursão na área e foram recebidos a tiros, nesta segunda-feira (05). 

"A gente foi recebido, literalmente, a bala. Eles estavam em cima de um morro, um local privilegiado para ver a chegada das viaturas policiais, quer sejam caracterizadas ou não, e podem se preparar antes até mesmo da polícia. Só que fomos rápido, cercamos o local, alguns ainda conseguiram fugir, mas conseguimos capturar três que foram conduzidos com armas de fogo e pertences das vítimas", explica o Joattan Gonçalves, coordenador do GAO. 

Ele explica que os criminosos se autodenominam faccionados. Há informações de que, além de confrontarem grupos rivais, os bandidos também têm atacado com frequência motoristas de aplicativo e também de delivery que são acionados para a uma falsa entrega. 

Joattan Gonçalvez acrescenta que foram apreendidas armas de fogo caseiras e que a investigação será aprofundada para tentar identificar como os criminosos têm acesso a esse tipo de material. Com eles, foram apreendidos também documentos pessoais, possivelmente, de cinco ou seis vítimas. 

"Essas armas são fabricadas por alguns metalúrgicos, pois são feitas de metal que, obrigatoriamente, vão exigir uma máquina de solda, uma serra corte, algo que se utiliza em uma metalúrgica ou no fundo do quintal. É uma forma alternativa que estão encontrando para se armarem pra combater a polícia, pois hoje eles enfrentam o próprio estado. Só que estamos à frente disso, a gente está preparado, a prova disso foi ontem: combatemos e estão presos. Se vão permanecer, isso não nos cabe", finalizou o coordenador do GAO.


Com informações Tiago Melo (TV Cidade Verde)
[email protected]

Imprimir