Cidadeverde.com
Política

Em depoimento à CPI, reverendo chora e pede desculpas

Imprimir

Foto:Pedro França/Agência Senado

Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPIPANDEMIA) realiza oitiva de reverendo apontado como suposto intermediador entre o governo federal e empresas que ofertavam vacinas.   O depoimento do religioso estava marcado anteriormente para o dia 14 de julho, mas foi adiado por questões de saúde. Recuperado, o reverendo comparece ao Senado munido de um habeas corpus concedido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), em que não precisará responder questionamentos que possam incriminá-lo.   Mesa:  advogado do depoente, Otávio de Queiroga;  reverendo Amilton Gomes de Paula;  vice-presidente da CPIPANDEMIA, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP);  relator da CPIPANDEMIA, senador Renan Calheiros (MDB-AL).   Foto: Pedro França/Agência Senado

O reverendo Amilton Gomes de Paula chorou durante o seu depoimento à CPI da Covid, nesta terça-feira (3), e pediu desculpas pelos erros que possa ter cometido.

O reverendo atuou como intermediário entre o Ministério da Saúde e a empresa Davati, que pretendia vender 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca.

Durante seu depoimento, o reverendo evitou falar quais conexões políticas detém, ao ponto de conseguir ser recebido no Ministério da Saúde apenas quatro horas após ter encaminhado um primeiro email solicitando o encontro.

"Eu tenho culpa. Hoje de madrugada antes de vir pra cá eu dobrei os meus joelhos, orei", disse o reverendo chorando. Ele se emocionou com a fala do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que o defendeu e chamou de "trambiqueiros" os intermediários de vacinas.

"Aí eu peço desculpas ao Brasil, porque o que eu cometi não agradou primeiramente aos olhos de Deus. Esse erro que eu cometi foi um erro que, se eu pudesse voltar atrás, eu voltaria atrás".
O reverendo afirmou que seu erro foi "abrir as portas" para os intermediários que queriam negociar vacinas. Disse que o fez apenas para "ajudar o Brasil" na busca por vacinas.

Em outro momento do depoimento, ele havia dito que ele e a sua entidade, a Senah (Secretaria Nacional de Ajuda Humanitária), foram "usados de maneira ardilosa para fins espúrios e que desconhecemos". 

REVERENDO DIZ QUE NÃO ENCONTROU BOLSONARO

O reverendo repetiu diversas vezes que não conhece o presidente Jair Bolsonaro. No entanto, reconheceu que teria um encontro com o chefe do Executivo, mas que acabou adiado pois teria ficado doente.

O reverendo foi questionado diversas vezes por uma mensagem do policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que buscava negociar vacinas, na qual afirma que "neste momento o reverendo está com o 01".

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) ainda lembrou uma fala da advogada da entidade do reverendo, a Senah (Secretaria Nacional de Ajuda Humanitária), chamada de Maria Helena, que confirmou o encontro com o presidente.

O reverendo afirmou que houve uma falha de comunicação.

"No dia 14 [de março], tivemos uma reunião na diretoria jurídica da Senah, onde eu avisei que, havendo possibilidade, eu estaria em um encontro com o presidente Bolsonaro. A nossa equipe estava saindo para Goiânia, então houve esse ruído de comunicação, aonde cada um foi passando a mensagem a Dominghetti e Cristiano [Carvalho, representante da Davati no Brasil] que tanto me importunava para falar com o presidente", afirmou.

"De novo: eu não fui porque no dia 15 eu tive uma crise renal. Eu me dirigi para casa e não fui para essa reunião", completou

Em outro momento, o reverendo foi questionado sobre um vídeo de 2019, no qual afirma que o presidente conheceria um projeto de moradia da Senah. Ele afirma que se referiu a Bolsonaro no contexto de "nação do Brasil".

"É um projeto que estamos trazendo para o governo, o governo como um todo. O governo Bolsonaro é a nação brasileira", afirmou.


Fonte:Folhapress

Tags: reverendocpi
Imprimir