Cidadeverde.com
Vida Saudável

Pesquisa revela que homens piauienses morrem mais de doenças do coração

Imprimir

Foto:Roberta Aline/Cidadeverde.com

Foto: Ilustrativa

A  Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), por meio  da Coordenação de Atenção à Saúde do Adulto e do Idoso, atesta que a principal causa de morte da população masculina piauiense são as doenças do aparelho circulatório, totalizando 16,74% dos óbitos. Causas externas somam 9,05%; neoplasias, 7,16%; doenças do aparelho respiratório são 5,72% dos óbitos e 3,67% por doenças endócrinas e metabólicas.

Os dados são referentes às pesquisas feitas no ano de 2019. Dentre as doenças do aparelho circulatório, foram: 610 óbitos por doenças hipertensivas, 1.165 óbitos por doenças isquêmicas do coração e 1.098 por doenças cerebrovasculares. Por conta da pandemia, os números do ano de 2020 ficaram concentrados em doenças parasitárias e infecciosas, relacionadas à Covid-19. 

Segundo a Coordenadora da Saúde do Adulto e Idoso, Valdite Leão, os homens acabam sendo mais negligentes com sua saúde. “A saúde masculina está diretamente relacionada aos hábitos que ele adota em relação à alimentação, realização de exames, vacinação e à prática de exercícios ou a falta dela. No geral, eles não ficam muito atentos a esses cuidados com a saúde”, afirma a coordenadora.

Valdite explica ainda que a Coordenação tem programas para reduzir a morbimortalidade por Diabetes Mellitus (DM) e Hipertensão Arterial (HAS) no público masculino; estímulos para reduzir o sedentarismo; qualificar a atenção à saúde da pessoa idosa; reduzir o número de mortes por doenças causadas pelo tabagismo; Reduzir a morbimortalidade por Diabetes Mellitus (DM) e Hipertensão Arterial (HAS). 

“Na Coordenação, temos programa pra o Pré-natal do Homem, onde incentivamos a participação do parceiro nas consultas e exames da parceira grávida. O câncer de pênis também é uma grande preocupação nossa porque ele é o responsável por 2% dos cânceres do público masculino. Todos os anos, 1.600 homens têm o pênis amputado pelo câncer no Brasil”, diz Valdite.

 

Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir