Cidadeverde.com
Últimas

Piauí participa da Pesquisa Prevcov para mapear transmissão da Covid-19

Imprimir

O estado do Piauí está participando da Pesquisa de Prevalência de Infecção por Covid-19 no Brasil (PrevCov), realizada pelo Ministério da Saúde. No estado, nove municípios participam do estudo que deve interagir com cerca de 5.000 moradores a fim de analisar e fazer um mapeamento da transmissão do vírus no país. O objetivo é permitir que gestores entendam quais medidas de prevenção e controle da doença são necessárias, no atual momento.

No Piauí, a pesquisa acontece em parceria com o laboratório Bioanálise, que vai garantir os profissionais da equipe, efetuando as etapas e procedimentos necessários junto à população piauiense. Inicialmente, o estudo será realizado nas capitais e nos municípios das regiões metropolitanas das capitais.

O superintendente de Atenção Primária à Saúde e Municípios da Secretaria de Estado da Saúde, Herlon Guimarães, destaca a importância da ação para aprimorar o enfrentamento da pandemia da Covid-19. “É essencial que os municípios recebam e ajudem a pesquisa. Ela não exige tipos de critério específico para a participação e as equipes estarão devidamente identificadas. Com os dados coletados, teremos mais entendimento da situação atual do país na questão da transmissão do vírus. Com esse panorama mais real, os gestores de saúde podem tomar as decisões que se ajustem melhor àquele momento, permitindo assim melhores resultados”, destaca.

As residências foram selecionadas inicialmente pela sua participação na Pesquisa Nacional por Amostra a Domicílio (PNAD Covid-19), realizada pelo IBGE. A PrevCov é uma continuação do estudo, onde serão coletadas amostras com os participantes para testagem sorológica.

Os resultados dos exames poderão ser consultados pelos participantes, por meio de um sistema próprio construído para a pesquisa, e instruções específicas serão dadas no momento da visita. Uma amostra de cada participante será armazenada para compor uma soroteca/biorepositório nacional relacionada à infecção pelo SARS-CoV-2. Este armazenamento ocorrerá na Fiocruz, por um período estimado de cinco anos e as amostras só poderão ser utilizadas para a realização de estudos complementares mediante aprovação do Ministério da Saúde.

Da Redação
[email protected]

Imprimir