Cidadeverde.com
Economia

Economista explica impacto de impostos para os consumidores

Imprimir

 

O economista e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI), João Victor Sousa, destacou o impacto dos impostos na vida dos consumidores brasileiros, principalmente os que possuem menor poder aquisitivo. Em entrevista ao Notícia da Manhã, nesta quinta-feira (23), o especialista explicou que no Brasil a maior parte dos impostos é cobrada de maneira indireta, nos produtos e serviços. 

“Muito se discute que o Brasil tem uma carga tributária muito alta. No entanto, se formos comparar o Brasil com outros países, a carga tributária do Brasil é até baixa. Em média, 36%. alguns países chegam a passar de 50%. O que acontece é que o tributo no Brasil é cobrado diretamente sobre o consumo, é o que nós chamamos de tributo indireto. As pessoas que pegam sua renda, e não tem condição de poupar, geralmente pegam todo o seu salário e gastam consumindo. Ou seja, essas pessoas gastam toda sua renda com produtos e consequentemente pagam muitos impostos. Aqueles tributos sobre produtos são muito mais incidentes do que tributos sobre patrimônio, sobre renda”, explicou o economista. 

“O que acontece é que as pessoas que tem renda, patrimônio, ativos parados pagam, relativamente, menos impostos do que a população mais pobre, que tem que consumir todo seu dinheiro porque não tem condição de poupar”, completou João Victor. 

Sobre o ICMS, sempre apontado como vilão quando o assunto é o aumento do preço da gasolina, o economista explica que o imposto estadual é mais caro no Piauí para compensar a baixa arrecadação, comparada a outros estados. 

“O ICMS é um imposto estadual que tem uma importância para arrecadação do Piauí. como o Piauí é um estado muito pobre, existe uma menor circulação de mercadorias, de bens e serviços. Então, a arrecadação estadual é menor relativamente do que as dos outros estados. O Piauí compensa isso elevando ICMS para poder aumentar a arrecadação. No entanto, , esse benefício para o estado acaba sendo um pouco prejudicial para o consumidor, no que se refere ao encarecimento dos produtos, com destaque para a gasolina”, destacou o economista.

 

 


Natanael Souza
[email protected] 

Imprimir