Cidadeverde.com
Vida Saudável

Outubro Rosa: Mulheres acima de 40 anos podem fazer mamografia de graça

Imprimir

Foto: Ministério da Saúde / Divulgação

 

O Outubro Rosa é o mês de conscientização sobre o câncer de mama. Em Teresina, a Fundação Maria Carvalho Santos disponibilizou gratuitamente 1.200 mamografias, o exame mais importante para o diagnóstico precoce da doença. O atendimento é direcionado para mulheres com idade de 40 a 60 anos e que não possuem condições financeiras para pagar.

As senhas das mamografias serão entregues a partir desta sexta-feira (01) na sede da Fundação Maria Carvalho Santos, localizada na Rua São Pedro, 3113, bairro Ilhotas. Para garantir o exame, basta levar um documento de identidade no horário das 09h às 11h30 e das 14h às 16h30, de segunda a sexta-feira.


Pandemia causou queda de mamografias no país

O Outubro Rosa tem como objetivo reforçar a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama, mas segundo levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) houve queda nos exames feitos por mulheres entre 50 e 69 anos através Sistema Único de Saúde (SUS). Dados mostram que em 2019 foram feitos 1,9 milhão de exames, enquanto que em 2020 foram apenas 1,1 milhão, o que representa uma redução de 42%.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, foram estimados - somente em 2021 - mais de 66 mil casos novos de câncer de mama no Brasil, um risco de 61 casos a cada 100 mil mulheres. A doença também ocupa a primeira posição em mortalidade por câncer entre as mulheres no país. 

 

Sinais e sintomas

Os principais sinais e sintomas suspeitos de câncer de mama são: caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

Por meio da mamografia, é possível fazer o diagnóstico do câncer de mama em estágio precoce e isso aumenta a chance de cura.

 

Da Redação com informações do Instituto Nacional de Câncer
[email protected]

Imprimir