Cidadeverde.com
Geral

Após 27 anos, Teresina tem caso confirmado de raiva canina e faz busca ativa

Imprimir

Foto:Ascom/FMS

A diretora de Vigilância em Saúde da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Amariles Borba, confirmou ao Cidadeverde.com que Teresina tem o primeiro caso confirmado de raiva canina, após 27 anos sem registro da doença. 

Amariles Borba explica que o resultado do exame de imunofluorescência direta deu positivo e não há necessidade de um novo teste ser reagente para que o caso de raiva canina seja considerado confirmado.  Nesta segunda-feira (4) a Fundação Municipal de Saúde iniciou um “protocolo de bloqueio” na região do bairro Aroeiras, na zona Leste de Teresina, onde uma cadela morreu após contrair a doença. 

A diretora esclarece que o protocolo deve ser seguido à risca para evitar sanções até mesmo internacionais. “O protocolo sanitário internacional é obrigatório para que o Brasil receba recursos, financiamentos e turistas”, alerta a diretora.

As equipes de agentes de endemias irão fazer, por 10 dias, vacinação antirrábica de emergência de todos os cães e gatos que vivem apenas na área de cinco quilômetros do local onde a cadela vivia.  O monitoramento da área irá durar 60 dias e conta ainda com uma busca ativa e investigação de pessoas e animais que possam também ter sido agredidos, mobilizações comunitárias de educação em saúde, esclarecendo sobre o perigo da raiva e formas de prevenção, além do monitoramento laboratorial do tipo de vírus que foi encontrado. 

De acordo com o diretor do centro de Zoonoses de Teresina, Paulo Marques, mais de 2 mil animais já foram vacinados na campanha emergencial. Segundo ele, a mulher que foi mordida pelo cadela infectada também está sendo monitorada. 

"Estamos na segunda semana de vacinação emergencial na região onde ocorreu a cadelinha com raiva. A senhora que foi agredia está bem, está sendo tratada e conduzida todo o trabalho pelo Hospital da Primavera. Pedimos às pessoas da região que nos ajudem na vacinação dos cães e gatos na região", explicou. 

 

Foto: Roberta Aline/CidadeVerde.com

“Em caso de dúvidas, as pessoas podem pedir a identidade do agente, solicitar que ele mostre o frasco da vacina para verificar a data de fabricação e vencimento, e tirar todas as dúvidas. Eles ficarão satisfeitos em dar as informações que a população precisar, evitando assim a disseminação de fake news”, garante o gerente.

VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA SEM DATA 
Mesmo com o caso confirmado de raiva canina, Teresina ainda não estabeleceu uma data para iniciar a vacinação geral antirrábica dos cães e gatos. O gerente do Zoonoses, Paulo Marques,  disse ao Cidadeverde.com que tem vacinas e seringas necessários para iniciar a imunização, mas falta “insumos” como material informativo sobre a campanha.

A RAIVA

A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive o homem, e caracteriza-se como uma encefalite progressiva e aguda com letalidade de aproximadamente 100%. O vírus se concentra em maior quantidade na saliva, sangue e secreções dos animais acometidos pela doença.

A raiva é transmitida ao homem pela saliva de animais infectados, principalmente por meio da mordedura, podendo ser transmitida também pela arranhadura e lambedura desses animais. A morte do animal acontece, em média, entre 5 e 7 dias após a apresentação dos sintomas, caracterizada por excitação, agressividade, medo, demência. Há também a fase com dificuldade de engolir, salivação, falta de coordenação e até paralisia.

 

 

 

Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir