Cidadeverde.com
Esporte

FIFPro alerta para a sobrecarga de partidas na saúde dos jogadores de futebol

Imprimir

Um relatório lançado nesta terça-feira pelo sindicato mundial de jogadores profissionais (FifPro, na sigla em inglês) mostra que os níveis atuais no acúmulo de jogos no calendário de uma temporada, as viagens longas e as curtas pausas entre as diversas competições são um fator prejudicial aos jogadores de futebol, uma vez que aumentam o risco de lesões.

Em um estudo que teve por base "uma amostra de 265 jogadores de 44 ligas, entre junho de 2018 e agosto de 2021", concluiu-se que o número de partidas consecutivas - em que os jogadores atuam, pelo menos, 45 minutos com menos de cinco dias de recuperação entre elas - aumentou nos últimos anos.

"Os dados mostram que devemos libertar a pressão sobre os jogadores e este relatório fornece novos dados sobre o porquê de precisarmos de mecanismos regulatórios e de fiscalização para os proteger.
 
Este tipo de solução deveria estar no topo da agenda sempre que discutimos o desenvolvimento do calendário de jogos. É hora de priorizar a saúde e o desempenho dos atletas", disse Jonas Baer-Hoffman, secretário-geral da organização.

Ainda de acordo com o relatório, a maioria dos jogadores não tem tempo livre suficiente, mesmo com a redução das viagens causada pela pandemia do novo coronavírus, e os atletas sul-americanos são os que sofrem mais com os deslocamentos. 

Alguns se deslocaram por mais de 200 mil quilômetros nos últimos três anos - distância equivalente a cinco voltas ao mundo.

E as competições de maior impacto foram as Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo (6,6 mil quilômetros de deslocamento médio) e o Mundial de Clubes da Fifa (6,4 mil quilômetros).

A FIFPro recomenda que se realizem duas pausas prolongadas ao longo da temporada: a primeira de quatro semanas, entre o final de uma temporada e o começo de outra, e a segunda com um intervalo de duas semanas no meio da temporada, de forma a "salvaguardar o bem-estar físico e mental dos jogadores". Sugere-se também uma pausa obrigatória para os atletas depois de um certo número de partidas consecutivas.

"Isso é claramente fundamental. Sabemos que os jogos consecutivos aumentam o risco de lesões, isso já foi demonstrado várias vezes, inclusive pela Fifa. 

É claro que a saúde mental está associada a múltiplos jogos, e o nível de estresse tende a aumentar durante os período de jogos consecutivos. 

Há uma grande variedade de problemas e outros resultados do acúmulo de jogos", observou o australiano Darren Burgess, que trabalhou em clubes como Arsenal e Liverpool como chefe de performance e hoje é consultor do FifPro.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir