Cidadeverde.com
Política

No Piauí, Marcelo Queiroga critica uso obrigatório de máscara e diz que está à disposição da CPI

Imprimir
  • HU_Queiroga_01_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_02_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_03_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_08_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_11_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_17_7.jpg Roberta Aline
  • HU_Queiroga_18_7.jpg Roberta Aline
  • queiroga_01_7.jpg Roberta Aline
  • queiroga_02_7.jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(16).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(14).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(13).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(12).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(11).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(10).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(9).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(8).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(6).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(5).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(4).jpg Roberta Aline
  • MINISTRO_OBRA_MATERNIDADE_(3).jpg Roberta Aline

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que ser contrário as leis que instituíram o uso obrigatório de máscara em estados do Brasil. O membro do governo federal chamou as regras de “legislorragia inútil” e acrescentou que elas colocam uma divisão entre a população. 

Marcelo Queiroga também criticou a iniciativa de “passaporte da vacina” adotada por alguns governadores, inclusive no Piauí e que exigem o comprovante de vacinação permissão de entrada em determinados espaços. Para justificar o posicionamento, o ministro relembrou que ele mesmo foi infectado pela Covid-19, após ter sido imunizado com duas doses. 

“Ficam criando essas cortinas de fumaça pra dividir a população brasileira quando precisamos de é união contra nosso inimigo que é o vírus. Ah passaporte disso, passaporte daquilo. Meus amigos, a população brasileira estará toda vacina, com esse passaporte […] Imagina, senador Ciro, eu com as duas doses e adquiri a Covid. Então, essas medidas não têm esse efetividade. Elas servem mais para dividir do que para unir”, afirmou. 

Marcelo Queiroga ainda acrescentou que não existe como fiscalizar o uso do instrumento e acrescentou, sem citar nomes, que o que deveria ser feito seria “desmascarar alguns por aí”. 

Sputnik 

Ao responder uma pergunta sobre a compra de vacinas feita diretamente por governantes estaduais, Marcelo Queiroga alfinetou os governadores que tentaram efetuar a compra da vacina russa Sputnik V. Dentre eles, esteve o Consórcio Nordeste, presidido pelo governador Wellington Dias (PT).
 
“Se os governadores querem adquirir vacinas, muito bem. No passado houve um consórcio de governadores que queriam adquirir a vacina Sputnik V. Onde está essa vacina?”, pontuou.

A declaração foi dada enquanto ele estava ao lado do secretário estadual de Saúde Florentino Neto (PT). Wellington Dias não esteve presente na visita e cumpria agenda no interior. 

CPI 

Questionado sobre as convocações para depor na Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) Covid no Senado, Marcelo Queiroga respondeu que se coloca à disposição para responder a convocação.

“Esses outros eventos cabe ao parlamento. Eu e o ministro Ciro Nogueira estamos à disposição de todas as instituições do Brasil e estamos a disposição de todas as instituições e sobretudo ao povo do Brasil”, pontuou. 

Agenda em Teresina

O ministro cumpre agenda em Teresina nesta manhã. Ele veio acompanhado do ministro-chefe da Casa Civil Ciro Nogueira e do Presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, General Oswaldo Ferreira. Na primeira agenda na capital piauiense, Queiroga fez uma visita ao novo Hospital Materno Infantil, no bairro Morada do Sol. Em seguida também participa de solenidade de entrega de equipamentos para Hospital da Universidade Federal do Piauí (HU-UFPI).

Um dos aparelhos é um tomógrafo computadorizado, avaliado em R$ 2,8 milhões. O Hospital recebe também um mamógrafo digital de quase R$ 1,4 milhão, três aparelhos de ultrassonografia, no valor R$ 350 mil, uma torre para cirurgia vídeolaparoscópica, de cerca de R$ 260 mil, além de dezenas de equipamentos e materiais cirúrgicos.

O evento dá início à Campanha Outubro Rosa para prevenção do câncer de mama, em que diversas atividades estão previstas no Hospital Universitário para os colaboradores e usuários.

 

Paula Sampaio
[email protected]

Imprimir