Cidadeverde.com
Geral

“Sinal de amor”, destaca arcebispo sobre visitas no Dia de Finados

Imprimir
  • cemitériosãojudas2.jpeg Roberta Aline
  • cemitériosãojudas.jpeg Roberta Aline
  • cemitériosãojudas1.jpeg Roberta Aline
  • cemitériosãojudas3.jpeg Roberta Aline
  • cemitériosãojudas4.jpeg Roberta Aline
  • FINADOS_(16).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(15).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(14).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(13).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(12).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(11).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(10).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(7).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(6).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(5).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(4).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(3).jpg Roberta Aline
  • FINADOS_(1).jpg Roberta Aline
  • DOM_JACINTO_(5).jpg Roberta Aline
  • DOM_JACINTO_(2).jpg Roberta Aline
  • DOM_JACINTO_(1).jpg Roberta Aline

Os cemitérios de Teresina registraram movimentação nas primeiras horas desta terça-feira (02), Dia de Finados. Muitas pessoas decidiram visitar os entes queridos logo nas primeiras horas do dia, para evitar congestionamentos, tanto no trânsito, quanto ao circularem dentro dos cemitérios. 

No cemitério Jardim da Ressureição, na zona sudeste, a programação contou com missa celebrada pelo arcebispo de Teresina, Dom Jacinto Brito. Ao Cidadeverde.com, o líder religioso falou sobre a importância da data e que para os cristãos ela não representa o fim da vida. 

“Essas manifestações significam que as pessoas não morrem eternamente. Elas não passam, elas ficam no nosso coração pelo amor. Aqui é um sinal de amor e, para nós cristãos, também um sinal de fé”, destacou o Dom Jacinto à nossa reportagem. 

O arcebispo frisou ainda que a data ajuda muitos a superarem o luto. “Nós professamos a fé na ressurreição e aqui. Para nós a morte é uma passagem, uma passagem de uma vida para outra, mas a mesma pessoa que morre é a mesma pessoa que ressuscita”, afirmou Dom Jacinto. 

A celebração este ano acontece presencialmente, diferente do que de 2020, quando todas as celebrações aconteceram de forma virtual para que aglomerações fossem evitadas por fiéis. Isso só foi possível graças ao início da vacinação e a redução nos números de mortes e casos de Covid. 

São aguardados, durante este Dia de Finados no cemitério Jardim da Ressurreição, a circulação de pelo menos 7 mil pessoas, segundo informou ao Cidadeverde.com o coordenador de campo do local, Fábio Castro. 

“Diariamente são realizadas algo em torno de 400 visitas a túmulos aqui. Hoje, mais de 10 mil estão enterrados aqui. Ontem ja passaram por aqui mais de 4 mil pessoas. Alguns familiares, vêm dois dias antes, um dia antes, mas têm aqueles mesmo que só vêm no dia mesmo”, ressaltou Fábio Castro.

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com 

"EU SINTO A PRESENÇA DA MAMÃE"
 
O Cidadeverde.com também foi ao Cemitério São Judas Tadeu, localizado na zona Leste de Teresina. Entre as milhares de pessoas que visitaram o local, uma senhora, com um terço na mão, rezava pelos pais falecidos. Antônia Oliveira conversou com nossa reportagem e falou sobre a importância de visitar os túmulos dos falecidos.
 
"Olha é muito importante porque é um dia dedicado realmente aos finados. Que a gente possa vir mais vezes para rezar, acender velas, como eu estou fazendo aqui. De vez em quando eu faço isso porque quem morre precisa tanto de oração como das velas acesas, um símbolo que Jesus deixou no mundo", destacou Oliveira.
 
No cemitério estão enterrados os pais da mulher. Segundo Antônia Oliveira informou ao Cidadeverde.com, ela não visita os túmulos com frequência, mesmo morando perto, mas que gostaria de frequentar mais porque gosta de rezar pelos pais dela.
 
"Eu sinto, não todas as vezes, mas de vez em quando sinto uns arrepios quando estou aqui [no túmulo dos meus pais]. E eu entendo que é a presença da mamãe. Mamãe gostava muito de rezar. Papai já era mais estranho. Mas era boa pessoa também", relembrou Antônia Oliveira. 

Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com


 
Outra que conversou com a equipe do Cidadeverde.com foi a dona de casa identificada como Francisca Araújo. A mulher esteve no cemitério visitando o túmulo de duas amigas que faleceram. Segundo Araújo, o ato é uma forma de dar amor para os entes falecidos que partiram desta vida para a outra.
 
"Sempre é bom acender velas para nossos entes queridos que morreram. É bom essa lembrança para saber que ainda são amados e lembrados. Essas aqui são duas amigas minhas que morreram há muito tempo, mas sempre que posso venho acender velas para elas", completou a dona de casa.

 

Veja a programação das missas 

Centro  

– Cemitério São José (Bairro Centro) – 01/11 às 17h30, e 02/11, às 06h30, 08h e 17h30;  

Zona Sul  

 – Cemitério Areias (Bairro Areias) – 7h  

– Cemitério Dom Bosco (Bairro Vermelha) – 8h, 18h30 na Igreja Matriz de Nossa Senhora de Lourdes;  

– Cemitério Santa Cruz (Bairro Promorar) – 7h na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário de Fátima;  

Zona Norte  

– Cemitério São João Batista (Bairro Santa Maria) – 7h;  

– Cemitério da Santa Maria da Codipi – 7h e 17h;  

– Cemitério Santo Antonio – 07h e 17h

Zona Sudeste  

– Jardim da Ressurreição (Bairro Gurupi) – 09h e 16h;  

– Cemitério do Renascença (Bairro Renascença) – 07h, 09h, 17h e às 19h na Igreja Matriz;  

– Cemitério São Sebastião (Bairro Todos os Santos) – 17h;  

Zona Leste  

– São Judas Tadeu (Bairro Noivos) – 07h, 10h, 17h;  

– Cemitério Santa Mônica (Bairro Pedra Mole) – 7h  

Zona Rural  

– Recanto da Saudade (BR-343) – 8h e 17h;  

– Cemitério Santa Cruz (Lagoa Do Piauí) – 17h;  

– Cemitério principal e Cemitério dos anjinhos (Demerval Lobão) – 17h.

 

 


Flash Nataniel Lima
[email protected] 

 

Imprimir