Cidadeverde.com
Geral

Bebê venezuelana morre após suposta prática de curandeirismo em abrigo na zona Norte

Imprimir

Um bebê venezuelano, do sexo feminino, de 9 meses de idade morreu, nesta sexta-feira (12), após uma prática de curandeirismo realizada em abrigo na zona Norte de Teresina. A informação foi confirmada pelo secretário executivo da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semcaspi), Eduardo Aguiar.

O secretário afirma que a menina chegou em Teresina no último dia 3 de novembro, junto com os pais, já apresentando sinais de desnutrição e hepatomegalia [aumento do fígado]. Eles partiram da cidade de Belém (PA).  O gestor conta que hoje o bebê foi submetido a um ritual com um curandeiro, chamado por eles de pajé.

“O abdômen dele foi pressionado e ficou roxo. Ele foi levado para o Hospital do Buenos Aires e infelizmente morreu lá”, conta.  

Segundo o secretário executivo, desde que o bebê chegou em Teresina a Semcaspi lhe encaminhou para atendimento em unidades de saúde. "No entanto, os pais não estavam fazendo o tratamento médico e optando por fazer as práticas do pajé", explica.

A Semcaspi acionou o Conselho Tutelar, já que há sinais de maus tratos. Um Boletim de Ocorrência deve ser registrado contra os pais do bebê e o  pajé. 

"Eles [venezuelanos] têm a cultura deles, mas é preciso que se saiba até onde pode chegar",acrescenta.  A mãe da criança, que é menor de idade, e a avó foram conduzidas à Central de Flagrantes, acompanhadas de assistente social.

A Semcaspi emitiu nota de esclarecimento sobre o caso. 

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) confirma o falecimento de um bebê indígena venezuelano, do sexo feminino e identificada como Heilin Perez, 9 meses de vida. O falecimento aconteceu nesta sexta-feira, (12/11), no Hospital do Buenos Aires, zona Norte de Teresina. 

A Semcaspi informa que o bebê e a família moravam em Belém (PA) e chegaram ao abrigo Buenos Aires, no dia 3 de novembro deste ano. A criança já estava bastante debilitada e com alguns hematomas no corpo. A família foi orientada a buscar os cuidados médicos, no entanto, buscaram inicialmente tratamento religioso.

O I Conselho Tutelar foi acionado pela Gerência de Direitos Humanos da Semcaspi e o bebê foi encaminhado ao hospital, no entanto, não resistiu aos sinais de maus tratos e acabou falecendo. A mãe de Heilin, H.D.V, 13 anos, e a avó, Maria Perez, 41 anos, são acusadas de maus tratos e foram encaminhadas pela Polícia Militar do Piauí para a Central de Flagrantes, a Gerência de Direitos Humanos e a equipe do I Conselho Tutelar acompanharam as acusadas. A Semcaspi reforça que está tomando todas as providências cabíveis e tem colaborado com as informações necessárias.

 

Izabella Pimentel
[email protected]

Imprimir