Cidadeverde.com
Vida Saudável

Apneia obstrutiva do sono e sua relação com depressão e ansiedade

Imprimir

Foto: Freepik




O sono perturbado pode causar uma série de consequências importantes para o dia a dia da pessoa, como falta de concentração, problemas de humor, ansiedade e Transtorno Depressivo Maior (TDM), que atingem diretamente sua qualidade de vida. De acordo com estudo publicado na revista Molecular Psychiatry, pessoas com um ciclo de sono desalinhado têm maior probabilidade de apresentar depressão e ansiedade e têm menos sensação de bem-estar.

Segundo o doutor Fábio Aurélio Costa Leite, psiquiatra com especialização em sono, dor e psiquiatria geriátrica, “indivíduos que não conseguem ter um dia normal porque dormiram mal, acordaram muitas vezes à noite e ficaram irritados e cansados em razão disso, podem ter alteração emocional de forma mais duradoura e apresentar sintomas como ansiedade”. Ele destaca que a saúde mental pode ser alterada por qualquer tipo de fator, seja físico ou emocional, e um sono ruim, cuja causa pode ser a AOS (Apneia Obstrutiva do Sono), pode sim levar a outras doenças, como a depressão. A apneia obstrutiva do sono é um transtorno do sono comum e potencialmente grave, no qual a via aérea torna-se repetidamente bloqueada pelo relaxamento dos tecidos da faringe e da base da língua, limitando a quantidade de ar que atinge os pulmões.

Uma vez constatada a relação do sono ruim com a apneia, é possível iniciar o tratamento que trará benefícios em pouco tempo. A terapia médica de escolha para AOS é o CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas), mas é importante a adesão do paciente para que o tratamento seja bem-sucedido e ofereça resultados perceptíveis.

Rodrigo Parente, foi alertado pela esposa sobre seu ronco e a impressão de que estava sufocando, durante a noite. Foi então que começou a perceber que havia algo errado, pois sentia cansaço todos os dias, sono constante durante o trabalho e problemas de concentração. “Percebia certa irritabilidade, excessiva preocupação e medo com certas atividades cotidianas. Após uma crise de ansiedade, fui ao psiquiatra especialista de sono e obtive o diagnóstico de apneia do sono, correlacionada com a depressão, e iniciei o tratamento imediatamente. Com a correta prescrição médica, aliada ao uso do CPAP, houve uma melhora significativa na qualidade de sono e de vida. Inclusive, hoje durmo várias horas sem interrupção. Acordar revigorado passou a ser uma realidade que há muito tempo não vivia”, comemora Parente.

Doutor Fábio Aurélio Costa Leite alerta que alguns pacientes que fazem tratamento de depressão e ansiedade e que usam medicamentos de forma adequada acabam não se recuperando completamente porque têm apneia do sono e não sabem. “Quando fazemos uma investigação, descobrimos a AOS e fazemos a correção com uso do CPAP, o paciente fica estável.”


Da Redação

Imprimir