Cidadeverde.com
Vida Saudável

Tem dificuldade de meditar? Confira dicas infalíveis para reduzir o estresse

Imprimir

Foto: Roberta Aline/CidadeVerde.com



Redução do estresse, controle da ansiedade, melhora no sono e diminuição de vícios são alguns dos benefícios da meditação, mas muita gente encontra dificuldade para conseguir se concentrar. Por isso, a adesão tem sido cada vez maior, já que boa parte dos exercícios podem ser feitos em qualquer momento ou lugar e sem a necessidade de investir em aparelhos.

Segundo a terapeuta Erika Thiele, para os iniciantes, a meditação guiada é a melhor opção. “Elas são mais fáceis, pois há uma pessoa que irá conduzir seu pensamento. Você fecha os olhos e presta atenção somente no que a voz está te propondo, criando imagens e descobrindo sensações”, pontua.

Existem diversas técnicas para melhorar a concentração. “Uma delas é, ao escutar uma música, manter o foco em um dos instrumentos. Este é o início para aprender a escutar somente o que queremos, sem dar atenção a coisas que não gostamos, discordamos e que nos fazem mal”, ensina a especilista.

Outra técnica é focar somente nos sons do ambiente ou na nossa respiração. “Temos muita facilidade para nos distrairmos com o que está ao nosso redor, então, focar na respiração é uma prática de alta concentração”, explica.

Ainda de acordo com Erika Thiele, é preciso transformar a meditação em prática diária para que o exercício de concentração fique mais fácil com o tempo.

“Somente praticando, com paciência e calma, é que conseguimos alcançar novos níveis de concentração e isso nos permite tomar decisões melhores, além de aumentar a sensação de bem-estar, leveza, paz e tranquilidade”.


Prática fortalece o sistema imunológico

A especialista cita que estudos científicos revelaram que a prática frequente de meditação interfere no nosso sistema nervoso.

“A meditação é capaz de alterar nossa fisiologia e gerar hormônios saudáveis, que contribuem para o fortalecimento do sistema imunológico. É o efeito contrário da ansiedade, preocupação e medo, que geram uma descarga de hormônios que desfavorecem nossa saúde e exigem mais do nosso corpo para eliminá-los”, completa.



Da Redação
[email protected]

Imprimir