Cidadeverde.com
Esporte

'É a minha vez de tentar abrir portas para o Cruzeiro', diz Ronaldo

Imprimir

Com 16 anos, Ronaldo Fenômeno estreou pelo Cruzeiro e deu início a sua vitoriosa carreira no futebol. Com 45, ele retornou, desta vez, para comprar o clube e ajudar na reformulação de um dos times mais vitoriosos do futebol brasileiro. Neste domingo, ele voltou a falar do motivo que o levou a investir na equipe celeste.

Foto - Divulgação - Cruzeiro

"Voltei porque acredito na volta do Cruzeiro", postou o ex-jogador nas redes sociais. "Não tenho todas as respostas para as perguntas que me faço e, possivelmente, não terei para todas as perguntas que vocês me farão.

O que eu sei é que aquele garoto que aprendeu no Cruzeiro que os seus sonhos eram possíveis me faz hoje acreditar que é possível tirar o clube de refém dessa crise."

A situação é delicadíssima. A dívida do Cruzeiro chega na casa de R$ 1 bilhão. Além disso, o time vai para o seu terceiro ano consecutivo na Série B do Campeonato Brasileiro.

Antes da chegada de Ronaldo, a perspectiva não era de maiores mudanças na equipe mineira, que agora deve mudar de status na segunda divisão.

"Chegou a hora de voltar. É a minha vez de tentar abrir portas para o time. Não como herói. Não com super poderes para, sozinho, mudar a realidade. Mas com imensa responsabilidade. Com gestão inteligente e sustentável para um crescimento de médio e longo prazo. Com a lealdade de 9 milhões de apaixonados", completou.

Ronaldo investirá R$ 400 milhões no futebol do Cruzeiro pelos próximos anos. Ainda não há um cronograma de investimentos. Mas o presidente do clube, Sérgio Santos Rodrigues, já adiantou que o dinheiro que entrará nas próximas semanas será o suficiente para quitar salários atrasados e até dívidas.

Ronaldo adquiriu 90% das ações do futebol do Cruzeiro, que teve o estatuto mudado com a aprovação da SAF. "Começamos agora um novo capítulo na história do clube. Volto porque acredito na volta do Cruzeiro! Volto pra ser parte da mudança do futebol brasileiro", finalizou o ex-camisa 9.

Fonte: Estadão Conteúdo

 


 

Imprimir