Cidadeverde.com
Vida Saudável

Saiba como preparar crianças autistas para as festas de fim de ano

Imprimir

Foto: Freepik



Todos os anos, o período de fim de ano traz à tona aspectos importantes relacionados a particularidades do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Isso porque, acontecimentos e preparativos relacionados às festas de Natal e de Réveillon podem afetar, por diferentes motivos, crianças e adolescentes com autismo.

Hipersensibilidade a estímulos auditivos e visuais dos fogos de artifício, rigidez para lidar com mudanças na rotina típicas dessa época e dificuldades na socialização, por exemplo, são possíveis características que exigem um olhar mais atento e sensível.

Neste ano em especial, soma-se a essas questões o fato de ainda estarmos em meio a uma pandemia, ainda que em uma fase que permita maior flexibilidade - o que, é claro, é algo muito positivo para todos nós, mas, que também merece ser analisado dentro do contexto do espectro autista: para alguns, especialmente crianças e adolescentes com TEA, após um longo período de maior introspecção, convívio reduzido com os pares e de atividades ao ar livre e, naturalmente,  de maior contato com as telas, a retomada à vida social pode estar sendo muito intensa e, em alguns casos, potencialmente desconfortável.

Respeitar “o tempo” e “o espaço” de cada um é essencial, por isso, algumas dicas importantes para amenizar possíveis incômodos e garantir que a criança/o adolescente com TEA e toda sua família vivenciem da melhor forma esse período são:


1. Prezar por um ambiente tranquilo e acolhedor

Levando em conta as particularidades desse ano, vale pensar com ainda maior cuidado nas dificuldades relacionadas à socialização. É importante prezar por um ambiente em que a criança sinta-se à vontade, entre pessoas que já conhece e convive.


2. Planejar e antecipar

A adesão mais rígida a rotinas faz com que seja importante antecipar todas as etapas junto às crianças e aos adolescentes com TEA, para que eles possam compreender melhor tudo o que está acontecendo e ainda vai acontecer.

Vale começar a falar bem antes que as festividades ocorrerão, mostrar quantos dias faltam para isso, explicar onde vocês estarão e usar elementos visuais para rememorar a ocasião. Histórias sociais, calendário, pistas visuais, figuras de revistas ou da internet alusivas ao Natal/Réveillon ou, ainda, fotos de anos passados, por exemplo, ajudam na compreensão. Mas, é essencial utilizar-se da repetição nesse processo.


3. Envolver a criança/o adolescente nos preparativos

Vale pedir para que a criança/o adolescente ajude a escolher a decoração, a organizar os presentes; aproveitar coisas que ela/ele já goste de fazer e encaixar isso nas atividades relacionadas às festas, como, por exemplo, pedir que confeccione desenhos para dar de presente aos familiares.

Vale também mostrar a roupa que ela/ele usará nos dias de festa, entre outras ideias.


4. Preparar para os momentos de fogos

Na passagem do ano, temos inevitavelmente os fogos de artifício, que podem ser ouvidos da maioria dos lugares. É importante tentar preparar a criança/o adolescente para isso, explicando o motivo (dizendo, por exemplo, “todos ficam felizes com a chegada do novo ano”), mostrando imagens ou vídeos de fogos (sem o áudio ou com o volume bem baixo).

Vale ainda dar à criança/ao adolescente um abafador de ouvido, ou, ainda, colocar uma música que ela/ele goste nos minutos anteriores à virada. Outra opção é buscar um local mais isolado para os minutos dos fogos (por exemplo: um cômodo mais protegido da casa, o carro da família etc.).

Essas são algumas dicas básicas, mas, vale lembrar que cada pessoa com TEA tem suas particularidades, e o essencial é que isso seja respeitado e levado em conta na hora de definir a programação da família. Dessa forma, proporcionamos que a criança/o adolescente sinta-se mais confortável para vivenciar esses momentos ao lado dos que ama!


Da Redação
[email protected]

Imprimir