Cidadeverde.com
Vida Saudável

Pet deve ficar seguro e confortável em viagens; veja dicas para o transporte

Imprimir

Foto: Freepik



Deixar o pet seguro e confortável durante a viagem é fundamental. Mas planejamento também é importante para um passeio tranquilo. Por isso, o tutor deve ficar atento às condições do animal e às orientações de segurança, seja em trajetos terrestres ou aéreos.

Filhotes e animais idosos precisam de atenção especial -e, às vezes, levá-los pode não ser recomendável, assim como gatos. Nesses casos, hotelzinho, hospedagem domiciliar ou a contratação de um pet sitter devem ser avaliados.

Mas, antes de a família partir -com ou sem o animalzinho- é importante assegurar que o bichinho esteja com a caderneta de vacinação em dia. O comprovante pode ser solicitado no destino e em creches para os peludos.

A veterinária Thais Matos, especialista da área de Confiança e Segurança da DogHero, aponta cuidados para aproveitar a viagem. Confira abaixo.


PETS NO CARRO

- Cinto de segurança: todos devem utilizar o equipamento, inclusive os pets. Há modelo específico oara eles, que funciona como um extensor, fixado no fecho do cinto do carro e ao peitoral do animal. Para os felinos, a caixa de transporte também precisa ficar presa no cinto de segurança;

- Pets no banco de trás: animais de estimação devem ficar sempre no banco traseiro, onde estará mais seguro, e não no chão –espaço para colocar os pés dos passageiros. Para deixar o pet mais tranquilo, o tutor pode colocar a caminha dele no banco. Caso o veículo tenha ar-condicionado, o ideal é deixar em temperatura neutra –nem quente nem fria;

- Sem orelhas ao vento: cachorros adoram ficar com a cabeça na janela. Mas tomar aquele ventinho não é conveniente porque pode provocar dor de ouvido, além de causar irritação nos olhos;

- Capas protetoras: além de não deixar o cãozinho escorregando no banco, protegem as portas do veículo. As capas protetoras, incluindo modelos impermeáveis, podem deixar a viagem mais confortável;

- Contra enjoo: alguns pets costumam enjoar durante viagens de carro e, por isso, o veterinário deve ser consultado antes do embarque. O especialista indicará a melhor forma de transporte e avaliará a necessidade de medicamento. Nenhum remédio deve ser oferecido ao animal sem a prescrição do veterinário.


PETS NO AVIÃO

- Na cabine: a maioria das empresas aéreas brasileiras permite viajar com o pet no avião. Animais de pequeno porte -até 10 kg- podem ser transportados na cabine. Portanto, antes de escolher a companhia, o ideal é pesquisar a política de transporte de cada uma;

- Caixa de transporte: para evitar estresse, o ideal é que o pet se acostume com a caixa de transporte. Ao menos um mês antes da viagem, a família pode fazer o seguinte treino: deixe a caixa aberta e sempre à vista do do animal para que ela se torne familiar. Ofereça petiscos dentro dela e faça um carinho quando o peludo entrar –mas nunca force a entrada. Se possível, ofereça uma das refeições do dia dentro da caixa. Passeios gradativos com o animal na caixa também ajudam;

- Viagens nacionais: o tutor precisa apresentar o atestado de saúde, feito por um veterinário), além da carteira de vacinação e comprovante atualizado da antirrábica;

- Viagens internacionais: além da carteira de vacinação, são necessários Certificado Zoosanitário Internacional, Certificado Veterinário Internacional e laudo sanitário. Alguns países pedem ainda microchip, para para o pet seja identificado. Antes de comprar a passagem e providenciar os documentos, o tutor precisa se informar sobre as restrições de entrada de pets no país de destino.

 

Fonte: Folhapress

Imprimir