Cidadeverde.com
Geral

Sistema dos Correios fica fora do ar por quase duas horas e estatal nega sequestro de dados

Imprimir
Foto: Arquivo CV
 
 
O portal e os sistemas internos dos Correios ficaram fora do ar na manhã desta quinta-feira (23) por quase duas horas, mas a estatal diz não ter havido perda ou sequestro de dados.
 
Os Correios já voltaram a operar com quase toda a capacidade, de acordo com nota da empresa. O portal já está no ar.
 
"As equipes técnicas que estão atuando para normalização integral no menor tempo possível e não há qualquer indício de perda de informação ou sequestro de dados", diz.
 
Segundo a assessoria dos Correios, a instabilidade no sistema não afetará o serviço de entregas, porque o programa de logística das operações não foi afetado.
 
A estatal também informou ser improvável a possibilidade de ataque hacker, uma vez que não foi identificada nenhuma assinatura, como costuma ocorrer nesses casos. Contudo, a área técnica da estatal está investigando o caso.
 
Um grupo de Telegram supostamente pertencente ao Lapsus$, grupo hacker que assumiu autoria do ataque aos sistemas do Ministério da Saúde, anunciou às 2h13 desta madrugada um ataque contra os Correios.
 
A mensagem dizia ainda que traria mais informações em breve, o que até às 11h30 não havia ocorrido.
 
No último dia 10, os sistemas da Saúde foram invadidos e até hoje a pasta trabalha para restabelecê-los integralmente. O Conecte SUS, aplicativo responsável pela emissão do certificado de vacinação contra a Covid-19, segue indisponível.
 
Na ocasião, usuários que tentassem acessar o site encontrariam um recado afirmando que os dados do sistema haviam sido copiados e excluídos, e que estavam nas mãos do grupo invasor.
 
"Nos contate caso queiram o retorno dos dados", dizia a mensagem.
 
O caso está sendo apurado pela Polícia Federal. Uma análise preliminar do órgão indicou que não houve sequestro de dados.
 
A hipótese principal das autoridades é a de que a ação criminosa foi motivada por ativismo político na internet, o chamado hacktivismo.
 
Em comunicado oficial sobre o caso, em 10 de dezembro, a PF informou que um inquérito foi instaurado "para apuração de autoria e materialidade dos crimes de invasão de dispositivo informático, interrupção ou perturbação de serviço informático, telemático ou de informação de utilidade pública e associação criminosa".
 
"Foi constatado que os bancos de dados de sistemas do Ministério da Saúde não foram criptografados pelos hackers", afirmou o texto.
 
Fonte: Folhapress
Imprimir