Cidadeverde.com
Esporte

A importância de Neymar para a era moderna do futebol

Imprimir

Foto: Michael Regan/UEFA/DiaEsportivo/Folhapress

No dia 5 de fevereiro de 2022, Neymar completou 30 anos. A partir de agora, aos poucos o menino príncipe não vai mais existir nas Melhores Casas de Apostas 2022 do mundo. 

Aquele “Jr.” depois de seu nome para distingui-lo de seu pai parecerá cada vez mais incongruente. 

Em teoria, ele será um jogador maduro, começando a desacelerar, começando a repensar seu jogo. 

No entanto, tudo parece muito repentino. 

Ele continua prisioneiro de seu potencial, um garoto de talento abundante; o jogador mais caro do mundo e ainda de alguma forma insatisfeito. 

Com o Brasil, ele ganhou a Copa das Confederações e o ouro olímpico, mas não a Copa América ou a Copa do Mundo. 

Ele ganhou uma Liga dos Campeões com o Barcelona, mas suas tentativas de levar o PSG ao sucesso que tanto almeja na competição até agora não deram em nada. 

E, talvez o mais importante para um jogador extremamente consciente de sua marca, ele ainda não ganhou a Bola de Ouro.

As lesões começam a aumentar. 

Neymar começou a correr novamente enquanto o PSG se prepara para o jogo das oitavas de final da Liga dos Campeões contra o Real Madrid, mas está longe de ser claro que ele estará apto para a partida de abertura. 

Essa tem sido a história com muita frequência. À medida que ele entra na fase final de sua carreira, que ainda pode durar cinco anos ou mais, apesar de suas dicas de que o Catar 2022 pode ser sua última Copa do Mundo, a possibilidade é cada vez maior de que ele nunca corresponda às expectativas de sua juventude.

Como um grande que foi sobrecarregado por seu talento, arrancado por essas expectativas de sua terra natal e as exigências da celebridade; alguém que foi mimado quase desde que se tornou jogador de futebol; alguém cujas transferências torpedearam o Barcelona e iniciaram o ciclo de altos e baixos dos últimos quatro anos, é Neymar, mais do que qualquer outro, que encarna a época da era moderna do futebol. 

Histórico do atleta


Filho de um jogador de futebol, Neymar foi contratado pelo Santos aos 11 anos e desenvolveu uma estreita amizade com o meio-campista criativo Paulo Henrique Ganso, que era dois anos mais velho que ele. 

Em campo, eles formaram uma parceria devastadora. 

Ganso fez sua estreia pelo Santos em 2008, e Neymar veio em março seguinte; juntos, eles eram as estrelas de uma equipe em ascensão. 

O primeiro gol de Neymar veio em seu segundo jogo, quando ele tinha 17 anos. 

Um mês depois, ele marcou o gol da vitória contra o Palmeiras na partida de ida da semifinal do Campeonato Paulista. O Santos, porém, perdeu na final.

O Santos venceu o Paulista no ano seguinte, com Neymar eleito jogador do torneio. 

Mas os problemas foram surgindo. 

Neymar perdeu um pênalti na final da Copa do Brasil daquele ano e, embora o Santos tenha vencido o jogo, o técnico Dorival Júnior instruiu Neymar a não cobrar o pênalti depois de ter sido derrubado na área em um jogo do campeonato logo depois. 

Furioso, Neymar teve que ser aplacado por um bandeirinha, deu as costas ao pênalti e se envolveu em uma briga pública com seu capitão. 

Mas quando Dorival pediu que ele fosse suspenso por duas semanas, o conselho o demitiu. Se houve um tempo em que Neymar não foi atendido, foi há muito tempo.

Dado o que aconteceu em 2011, talvez o conselho estivesse certo em ficar do lado dele. 

Não só o Santos manteve o Paulista e ganhou a Libertadores, mas Neymar ganhou o Prêmio Puskás por um gol solo marcado na derrota por 5 a 4 para o Flamengo.

Jogo esse coincidentemente assistido por uma frota de jornalistas europeus que mostravam as instalações do Brasil para a Copa do Mundo de 2014, o que ajudou a consolidar sua reputação global – tendo inclusive sido nomeado Jogador Sul-Americano do Ano.

Futuro no PSG

Três títulos da liga francesa e três copas da França em quatro anos são apenas um requisito mínimo para um clube com os recursos do PSG em uma liga moderada. 

Ex-gerentes falaram das panelinhas e egos no vestiário. 

Quando Unai Emery estava no comando, Neymar organizou uma festa de aniversário de três dias e convidou seu treinador para vir cortar o bolo. 

O PSG pode efetivamente ser incontrolável, esperando que o talento mal organizado seja suficiente. 

Cristiano Ronaldo saiu impune no Real Madrid porque tinha em Karim Benzema e Ángel Di María dois jogadores que sublimaram os seus jogos às suas necessidades e, em Casemiro, Toni Kroos e Luka Modri? um meio-campo brilhantemente equilibrado que podia controlar os jogos. 

Neymar, porém, não tem nada parecido com esse apoio no PSG, onde pode-se argumentar agora que ele é o terceiro violino de Kylian Mbappé e Messi.

Conclusão

Neymar completou 30 anos. Ainda há tempo, e ele já ganhou muito, certamente mais do que a maioria. 

O hype inicial era absurdo, e se ele não cumpriu com isso, é em grande parte porque ninguém poderia ter feito isso. 

No Brasil, a expectativa tem sido contraproducente. 

Mas, igualmente, a decisão de deixar o Barça para o PSG significava que em seus anos de pico ele jogava a maior parte de seu futebol em uma liga que não era um desafio para ele e para um clube cujas contradições o inibem ao mais alto nível. 

Ele conquistou muito, mas há uma sensação clara de que poderia ter conquistado mais. A Copa do Mundo deste ano, que ele afirma ser a última, pode ser uma de suas últimas oportunidades para fazer isso. Se ele for convocado, claro.

Dessa forma, analisando a história do craque ao longo dos anos, é realmente possível ver como é grande a importância do mesmo para a era moderna do futebol.

Apesar dos erros que cometeu, o atleta conseguiu deixar sua marca. E certamente será um bom exemplo (positivo ou negativo) para as gerações de futebolistas que estão por vir.

 

 

Da Redação 

Imprimir