Cidadeverde.com
Geral

Ucrânia afirma que radiação em Chernobyl aumentou após invasão da Rússia

Imprimir

Foto: reprodução/gabinete do presidente da Ucrânia



A agência reguladora de energia nuclear da Ucrânia disse ter detectado níveis de radiação gama mais altos do que o normal na área perto da usina nuclear desativada de Chernobyl, depois de ela ter sido apreendida pelos militares russos. A Inspetoria Reguladora Nuclear do Estado não deu mais detalhes, e atribuiu o aumento a uma "perturbação do solo superficial devido ao movimento de uma grande quantidade de equipamentos militares pesados através da zona de exclusão e à liberação de poeira radioativa contaminada no ar".

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, disse que as tropas aerotransportadas russas estavam protegendo a usina para evitar possíveis "provocações". Ele insistiu que os níveis de radiação na área permaneceram normais.

A Agência Internacional de Energia Atômica, com sede em Viena, disse que foi informada pela Ucrânia sobre o aumento, acrescentando que "não houve vítimas ou destruição no local industrial".

O desastre na usina nuclear de Chernobyl aconteceu em 1986, quando um reator nuclear na usina a 130 quilômetros ao norte de Kiev explodiu, enviando uma nuvem radioativa por toda a Europa. O reator danificado foi posteriormente coberto por uma concha protetora para evitar vazamentos.

Autoridades ucranianas disseram que a Rússia tomou a usina e sua zona de exclusão ao redor após uma batalha nesta quinta-feira, 24, no primeiro dia da invasão russa ao país. As tropas entraram pela fronteira de Belarus, onde estavam concentradas há semanas para a realização de exercícios militares conjuntos, segundo justificou a Rússia na época.

Cerco à Kiev

A invasão começou na madrugada, depois de o presidente Vladimir Putin ordenar uma operação especial no leste do país, controlado por separatistas pró-Rússia. Tropas russas confirmaram que entraram em território ucraniano a partir da Península da Crimeia, anexada pelo Kremlin em 2014.

A partir de então, as forças começaram a montar um cerco à capital, Kiev. Nesta sexta-feira, 25, o Ministério da Defesa da Ucrânia afirmou que as forças russas entraram no distrito de Obolon, a menos de 9 quilômetros do centro de Kiev e os bombardeios aumentaram nas últimas horas.

Explosões soaram antes do amanhecer em Kiev e tiros foram relatados em várias áreas, enquanto os líderes ocidentais agendavam uma reunião de emergência e o presidente da Ucrânia pedia ajuda internacional para afastar um ataque que poderia derrubar seu governo democraticamente eleito, causar baixas em massa e causar danos ao país e à economia global.

Entre os sinais de que a capital ucraniana está cada vez mais ameaçada, os militares disseram na sexta-feira que um grupo de espiões e sabotadores russos foi visto em um bairro nos arredores de Kiev, e a polícia disse às pessoas que não saíssem de uma estação de metrô no centro da cidade porque havia tiroteio na região.

Em outras partes da capital, os soldados estabeleceram posições defensivas nas pontes e veículos blindados circulavam pelas ruas, enquanto muitos moradores olhavam inquietos nas portas de seus prédios de apartamentos.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse que Kiev "pode estar sitiada" no que autoridades norte-americanas acreditam ser uma tentativa do presidente russo, Vladimir Putin, de instalar seu próprio regime.

O ataque, previsto há semanas pelos EUA e aliados ocidentais , equivale à maior guerra terrestre na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Depois de negar repetidamente os planos de invasão, Putin lançou seu ataque ao país, que tem se inclinado cada vez mais para o Ocidente e para longe da influência de Moscou.

O presidente ucraniano Volodmir Zelenski, cujo controle do poder era cada vez mais tênue, apelou aos líderes globais por sanções ainda mais severas do que as impostas pelos aliados ocidentais e por assistência de defesa. (Com agências internacionais).

Fonte: Estadão Conteúdo

 

Imprimir