Cidadeverde.com
Geral

Juiz decreta prisão preventiva de PM suspeito de matar duas pessoas em bar em Teresina

Imprimir

Foto: Roberta Aline/Cidadeverde.com 

O juiz Teófilo Rodrigues Ferreira, da Vara Núcleo de Plantão da Comarca de Teresina, decretou a prisão preventiva do cabo da Polícia Militar, Manoel de Jesus Fernandes Sousa, que foi preso na sexta-feira (25) suspeito pelo assassinato de duas pessoas e por deixar outra ferida em um bar no bairro Alto da Ressurreição, na zona Sudeste de Teresina.

Em decisão do dia 26 de fevereiro, o juiz Téofilo Rodrigues homologou o auto de prisão em flagrante e decretou a prisão preventiva do policial, por entender que Manoel Fernandes não pode ficar em liberdade em decorrência da gravidade das acusações.

“Revela ser pessoa perigosa para o bem estar público, motivo pelo qual reputo inadequadas as medidas cautelares não privativas de liberdade listadas no art. 282 do CPP. Além disso, o caso se identifica dentre aqueles em que a soltura do preso é incompatível com a manutenção da ordem pública, dado o perfil subjetivo do requerido, inconciliável com as diretrizes de seu labor público”, afirmou o juiz na decisão.

Como se trata de um policial militar, Manoel Fernandes, está recolhido no presídio militar.

O crime

O crime ocorreu na noite de sexta-feira (25) após o policial e um homem começarem uma discussão em um bar localizado na rua Alcira Ribeiro Carvalho, no bairro Alto da Ressureição. 

Durante a discussão, o policial pegou a arma e fez disparos terminando na morte de Deusimar Gomes Siqueira e Antônio Bernadinho de Oliveira. Um terceiro homem foi baleado, mas sobreviveu.

Segundo a Polícia Militar, após o crime o policial foi preso em flagrante e autuado pelo duplo homicídio na Central de Flagrantes de Teresina.

Corregedoria vai apurar o caso

O cabo vai responder pelas acusações na Corregedoria da Polícia Militar, onde seu caso será apurado pelo Conselho da Disciplina. Ao final, o comandante geral pode determinar a sua expulsão dos quadros da PM.

Além disso, o policial vai responder pelos crimes na esfera criminal, com base no inquérito policial que será realizado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil do Piauí, e na denúncia que deve ser apresentada pelo Ministério Público Estadual.

Nota da PM sobre o caso

 

Acerca de ocorrência envolvendo policial militar:

1. PMPI informa que a guarnição de serviço efetuou a prisão do policial militar e conduziu para a Central de Flagrantes;

2.  Na Central de Flagrantes foram feitos os procedimentos que a lei exige,  o  Auto de Prisão em Flagrante Delito pelo duplo homicídio;

3.  O policial militar, devidamente autuado, foi levado pela guarnição para o IML para fazer o exame de corpo de delito;

4. Após foi conduzido ao Presídio Militar onde se encontra preso á disposição  da  Justiça;

5. O policial militar irá responder às acusações que lhe são imputadas tanto na esfera administrativa como na esfera criminal. Na esfera administrativa em procedimento instaurado pela Corregedoria da PMPI denominado Conselho de Disciplina e na esfera criminal, na justiça comum do Estado do Piauí.

 

Bárbara Rodrigues
[email protected]

 

Imprimir