Cidadeverde.com
Esporte

Navarro faz 4 e comanda goleada histórica do Palmeiras na Libertadores

Imprimir

No reencontro com a sua torcida no Allianz Parque em um jogo de Libertadores após dois anos, o Palmeiras contou com uma partida inspirada de Rafael Navarro para massacrar o Independiente Petrolero por 8 a 1 e vencer o seu segundo compromisso na competição continental, do qual é o atual campeão.

Foto - Cesar Greco - Palmeiras

A janela de contratações fechou nesta terça, dia em que Navarro provou que pode ser o camisa 9 que tanto quer Abel Ferreira.

Ele comandou a goleada ao marcar quatro vezes, todas no segundo tempo e ainda dar uma assistência para Rony. Seus gols lhe deixaram na artilharia da competição, agora com seis bolas na rede.

O time alviverde teve paciência para encontrar o caminho das redes e virar a partida depois que levou um gol cedo, aos cinco minutos, anotado por Correa. Zé Rafael empatou o duelo no fim dos primeiros 45 minutos.

Na etapa final, Navarro, inspirado, fez a diferença e o jogo virou um passeio. Rony também foi às redes, bem como Raphael Veiga, que entrou no fim para anotar duas pinturas e selar a goleada histórica em casa.

Líder do Grupo A, com seis pontos, o Palmeiras esquece por algumas semanas a Libertadores, já que só volta a jogar pelo torneio continental no dia 27, contra o Emelec, no Equador. No sábado, às 16h30, o time tenta se reabilitar no Brasileirão. O adversário será o Goiás, em Goiânia.

Desatento como raras vezes é, o Palmeiras levou um gol cedo e viu a zebra passear no Allianz Parque no início. O ex-palmeirense Cristaldo fez o pivô em cima de Jorge e rolou para Correa acertar o ângulo direito de Weverton aos cinco minutos.

O jogo se tornou, naturalmente, ataque contra defesa. Embora tenham encontrado dificuldade para vencer o bloqueio defensivo dos visitantes, os reservas do Palmeiras dominaram o frágil adversário e empilharam chances de gol.

Os erros no penúltimo e último passes prejudicaram a equipe. Faltou capricho para Gómez, Verón e Navarro em suas oportunidades para marcar, mas sobrou competência para Zé Rafael, que empatou o jogo aos 41.

O meio-campista, que tem se mostrado um bom finalizador de média distância, pegou a sobra e bateu bonito, de fora da área.

Em cima do rival, os mandantes quase ampliaram no fim, mas deram azar com Breno Lopes, que acertou a trave, e Navarro, que não alcançou cruzamento de Veron. Wesley marcaria um golaço no ângulo esquerdo se Arancibia não tivesse voado para defender o arremate.

Se encontrou dificuldade no primeiro tempo, no segundo, as coisas fluíram naturalmente para o Palmeiras graças à noite inesquecível de Navarro.

Inspirado, o centroavante, que só havia desencantado há uma semana, após três meses no time, marcou três gols num intervalo de nove minutos e resolveu a partida. Depois, fez mais um, de letra.

Ele deixou sua marca de cabeça, de pé esquerdo, de carrinho e até de letra, mostrando repertório vasto. Com isso, tornou-se o artilheiro da Libertadores, com seis gols, e demonstrou a Abel Ferreira que pode ser o camisa 9 tão desejado. Navarro completou a noite mágica com assistência para Rony fazer o sexto.

Raphael Veiga entrou no final da partida e anotou mais dois golaços para fechar o massacre no Allianz Parque, onde os palmeirenses foram testemunhas de uma goleada histórica pela Libertadores.

Fonte: Estadão Conteúdo

Imprimir