Cidadeverde.com
Geral

Professor Marcos Lira é eleito e vai administrar o Centro de Tecnologia da Ufpi

Imprimir

Fotos divulgação

 

Os professores Marcos Lira e Giovana Espindola foram nomeados como diretor e vice-diretora do Centro de Tecnologia da Ufpi (Universidade Federal do Piauí) para o mandato de quatro anos (2022-2026).

Os novos gestores compuseram a chapa #aceleraCT e foram eleitos pelos docentes, técnicos-administrativos e discentes do CT em um processo de consulta que contou com a participação massiva da comunidade.

Marcos Lira - que assina a coluna “Energia Ativa” no Cidadeverde.com -  destaca os desafios para a nova gestão. “O momento pelo qual as universidades federais passam atualmente, exige de nós, gestores, criatividade, inovação e sobretudo capacidade de diálogo. Os recursos são escassos para demandas que só aumentam. Este cenário impacta de forma implacável a pesquisa, o ensino e a extensão”.

Ele assume com propostas que abrangem o avanço dos cursos de graduação do CT, a criação de novos cursos de pós-graduação, o fortalecimento dos grupos e núcleos de pesquisa e extensão e melhorias nas condições de trabalho para docentes e técnicos-administrativos. O  novo diretor afirmou ainda que “o Centro de Tecnologia precisa assumir o protagonismo quando o assunto é Polo Tecnológico, ações inovadoras e Empreendedorismo. Para tanto, contamos com recursos humanos (docentes, técnicos administrativos e discentes) capazes de catalisar esse processo”.
 
Conheça o novo diretor e nova vice-diretora

 
Marcos Antonio Tavares Lira é professor dos cursos de Graduação e Mestrado em Engenharia Elétrica - CT/UFPI, é Tutor do PET do Curso de Engenharia Elétrica, orientador da Empresa Júnior Riseup e da Liga Acadêmica de Energia Solar e Subcoordenador do Grupo de Pesquisa em Energia Solar. Coordena o Projeto Parada Solar e é Membro de Comitês Científicos e Câmaras Técnicas e Especializadas. Integrou a equipe que levou a UFPI a ganhar, em 2015, o Prêmio Desafio da Sustentabilidade. Coordena do Projeto Energia Solar para o Bombeamento de água no semiárido, agraciado com o Prêmio concedido pelo PNUD/ONU (2019). Atualmente é docente do Doutorado em Rede em Desenvolvimento e Meio Ambiente.
 


 
Giovana Espindola é professora do curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura do Centro de Tecnologia, Coordenadora do Laboratório de Geoprocessamento do Núcleo de Referências em Ciências Ambientais do Trópico Ecotonal do Nordeste (TROPEN) e Orientadora de Iniciação Científica. Atualmente, é docente do Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, do Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente, e do Mestrado em Geografia.

 

Da Redação
[email protected]

Imprimir