Cidadeverde.com
Picos

Conheça a história do “Beco da Raposa” em Picos

Imprimir

Fotos: Paula Monize/cidadeverde.com

A cidade de Picos é reconhecida pela sua pluralidade histórica, econômica e cultural. 

É neste cenário que o Portal Cidade Verde chega para dar voz à comunidade, contar as histórias e acontecimentos da “Capital do Mel” e da grande região que comporta mais de 50 municípios. 

Com este objetivo, apresentaremos nesta segunda-feira (25) a história do tradicional “Beco da Raposa”. Um anexo comercial localizado na Travessa Josino Araújo que interliga as duas feiras livres de frutas e também de vestuário e utilidades.

O “Beco da Raposa” surgiu na década de 1940, alguns anos depois da construção do Mercado Público. É um espaço onde reina a variedade de produtos e por onde passam centenas de pessoas diariamente.

Essa movimentação é o que atraiu o feirante, Domingos Veloso da Silva, de 60 anos. Há mais de duas décadas ele possui uma barraca de acessórios masculino e feminino e conta que o trabalho no “Beco da Raposa” é uma grande diversão.

“É um espaço muito bom que circula centenas de pessoas durante todo o dia. Infelizmente com o passar dos anos as vendas tem caído um pouco, mas continuamos aqui ativos mantendo nosso trabalho. Aqui é uma diversão, passamos o dia trabalhando que a gente nem vê”, pontuou o comerciante.

Feirante Domingos Veloso

Ao longo da extensão do anexo, dezenas de feirantes expõem seus produtos, negócio que perpetua gerações como na família da senhora Matilde da Silva Ferreira.

“Aqui começamos o negócio e hoje quem toma de conta é o nosso filho. Esperamos continuar ainda por muitos anos aqui”, disse a feirante.

A história

Segundo historiadores, O “Beco da Raposa” leva esse nome devido os homens frequentarem o local no período da noite, onde haviam bares, lugares para jogos e também prostíbulos. Daí a semelhança ao animal. 

Atualmente, o comércio no local é regulado pela Prefeitura de Picos que cobra uma taxa pelo uso do espaço. 

 

Flash Paula Monize
[email protected]

Imprimir