Cidadeverde.com
Geral

Manifestação de professores tem tumulto em frente à Câmara Municipal

Imprimir

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

Um princípio de tumulto foi registrado na manhã desta quarta-feira (05) em frente à Câmara Municipal de Teresina. Em greve há mais de 80 dias, professores da rede municipal que realizavam uma manifestação no local afirmam terem sido barrados de entrar na Casa. 

Seguranças da Câmara Municipal e policiais militares foram chamados para tentar controlar a situação. 

O diretor de Comunicação do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserm), Joaquim Monteiro, que estava coordenando a manifestação, afirmou que uma comissão tentava entrar na Câmara para fazer a entrega de um despacho do Ministério Público do Piauí (MPPI).

Segundo Joaquim Monteiro, durante a movimentação a advogada Luana Gomes, representante jurídica do sindicato, teria tido o braço machucado. Ele descreveu que o braço da profissional foi imprensado pela porta de entrada empurrada por um segurança da Câmara.

Foto: Ascom/Sindserm

“Queremos acesso à Câmara para uma coisa básica, para ir ao banheiro e também pois há uma comissão para entregar um despacho do promotor Chico de Jesus. Hoje, uma advogada tentou entrar e foi impedido, fazendo uso de suas prerrogativas e foi machucada, um rapaz empurrou a porta e a machucou. Vamos fazer um B.O”, destacou.

Os professores protestam contra o reajuste contra o reajuste linear de 16% sancionado pelo prefeito Dr. Pessoa (Republicanos) em fevereiro deste ano e pedem por uma audiência pública. A classe quer que seja concedido o reajuste estabelecido pelo governo federal de 33%.

A greve da categoria já completa 81 dias.

Foto: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Presidente da Câmara esclarece

O presidente da Câmara Municipal, vereador Jeová Alencar (Republicanos), pontuou que os professores tem o direito de realizar a manifestação. Ele esclareceu ainda que solicitou ao grupo que fosse formada uma comissão para quem pudessem se reunir com a Comissão de Educação do Legislativo.

“Eles têm todo o direito de fazer sua manifestação, quem me conhece sabe. Eu pedi só que se formasse uma comissão, pois não tem como entrarem todos os grevistas na Câmara Municipal de Teresina. O ideal é que se forme uma comissão e teremos o maior prazer em atendê-los”, destacou Jeová Alencar.

O ex-líder do prefeito, Renato Berger (PSD) defendeu o reajuste dado pela prefeitura. Segundo ele, o aumento foi amplamente discutido com a categoria. Para ele, o questionado agora deverá ser feito na justiça.

“Todo gestor tem o dever de estar atento a lei de responsabilidade fiscal e não pode passar por cima de uma lei para beneficiar a categoria. Nós entendemos que os professores são essenciais e fundamentais, agora foi dado um aumento e ficou acima do piso nacional. Sobre a questão de uma audiência pública, foi discutido, dado todas as opções, se fez aquilo que foi possível. Nesse momento, não sei se ainda cabe uma audiência pública”, avaliou.

 


Flash Paula Sampaio 
[email protected] 

Imprimir