Cidadeverde.com
Cidades

Visitação ao Cânion do Poti pode ser liberada em junho, diz Semar

Imprimir
  • IMG_20130726_111705_041.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • Cânion_do_Rio_São_Miguel_-_Castelo_do_Piauí__7853.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • Canion_do_Rio_Poti.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • Canion_com_poluição.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • 03853.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • 03852.jpg Arquivo/Cidadeverde.com
  • 03848.jpg Arquivo/Cidadeverde.com

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semar) prorrogou para o mês de junho a possibilidade de retomada das atividades turísticas no Cânion do Poti, no município de Buriti dos Montes, localizado na região Norte do Piauí.

Os passeios ecoturísticos no local logo após o incidente ocorrido no lago de Furnas, em Capitólio (MG), quando uma parte das rochas desabou sobre uma embarcação e deixou dez pessoas mortas e várias outras feridas.

A expectativa da pasta era que as atividades fossem liberados ainda neste mês de maio, porém a recomendação é para que não se realizem atividades no local durante a ocorrência de chuvas, que ainda estão sendo registradas na região. 

“Por isso estamos aguardando estabilizar mais o tempo neste período chuvoso. Enquanto isso estamos analisando e, certamente em junho, reduzindo as chuvas, queremos retomar e autorizar as atividades”, afirmou o secretário Daniel Marçal ao Cidadeverde.com.

Segundo a Semar, o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) já realizou uma vistoria no Cânion do Poti, assegurando a segurança no local. “Estamos concluindo o plano de retomada e analisando os pedidos dos que exercem atividade turística no local”, pontuou o gestor. 

Além da volta dos passeios ecoturísticos, a pasta também planeja intervenções na infraestrutura do ponto turístico. As ações, no entanto, não devem acontecer quando da liberação das atividades.

“Estamos na fase de elaboração do conselho gestor da unidade e, a partir daí, temos alguns projetos para realizarmos obras de melhoria na estrutura do local. Mas isso não é para curto prazo, é algo mais para longo prazo”, finalizou Marçal.

 

Breno Moreno
[email protected]

Imprimir