Cidadeverde.com
Cidades

Polícia vai investigar se as 12 crianças resgatadas sofriam “castigo disciplinar” e exploração

Imprimir

Foto enviada ao portal Cidadeverde.com

Atualizada às 14h15

O sítio onde foram resgatados 12 crianças e adolescentes moram oito adultos que serão ouvidos pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Em operação na manhã de hoje, no povoado Estaca Zero, as crianças foram resgatadas após denúncia de maus-tratos.  A Polícia Civil vai investigar também indícios de exploração de mão de obra infantil, além de aplicação de “castigo disciplinar” afetando psicologicamente os meninos e meninas. 

O gerente de Direitos Humanos da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, André Santos, informou que a denúncia de maus-tratos contra a família do sítio vem desde 2017.

“É uma situação complexa, que envolve briga de herança entre a família. Lá morrem oito adultos e as 12 crianças. Existem várias denúncias de exploração de crianças em carvoarias e até aplicação de castigo disciplinar, deixando a criança sem comer. Tudo isso será investigado pela DPCA”, disse André Santos.

 

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com 

Matéria original 

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) resgatou 12 crianças que viviam em um sítio na zona rural Leste de Teresina. A operação, realizada na manhã desta terça-feira (31), deu cumprimento a um mandado de busca e apreensão expedido pela 1ª Vara da Infância e Juventude e apura denúncias de maus-tratos contra os menores de idade que viviam no local. 

De acordo com a delegada Lucivânia Vidal, titular da DPCA, as idades das crianças e adolescentes resgatados variam de 4 a 16 anos.  Todos são da mesma família e foram levados para abrigos por determinação do poder judiciário. 

O inquérito policial foi instaurado para investigar a situação. 

“É uma casa bem simples. A gente não viu nenhuma situação flagrancial de maus tratos visíveis. Agora vamos nos aprofundar nas investigações, para saber se havia algum abuso físico ou psicológico. Queremos saber o cotidiano dessas crianças”, destacou a delegada Lucivânia Vidal

 Além da Polícia Civil, participaram da operação desta terça-feira representantes do Conselho Tutelar e da Gerência de Direitos Humanos da Prefeitura de Teresina. 

Caso as denúncias se confirmem, os responsáveis pelas crianças e adolescentes poderão responder por crimes como abandono material, maus tratos e lesão corporal. 

Os menores ficarão em um abrigo até uma nova decisão da Vara da Infância e Juventude. 

“Estão sob a responsabilidade da Justiça. O procedimento judicial é que vai definir o futuro das crianças”, esclareceu a delegada. 

 

 

Aguarde mais informações

 

 


Natanael Souza 
[email protected] 

Imprimir