Cidadeverde.com
Geral

Banco de Leite reduz 50% e mães realizam 'mamaço' para incentivar doação no Piauí

Imprimir
  • ewasdca.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • efe.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • assqasqqsqqq.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • asdaef.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • afsd.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • adscfdzscxz.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com
  • aaaaaa.jpg Renato Andrade/Cidadeverde.com

Atualmente cerca de 80 bebês são atendidos pelo Banco de Leite da Maternidade Dona Evangelina Rosa, mas ocorreu uma queda de quase 50% na doação nos últimos dois meses. Para alertar sobre a importância do ato, mães doadoras e lactantes realizaram nessa terça-feira (31) um mamaço no Parque da Cidadania, na cidade de Teresina. 

Segundo Vanessa Paz, coordenadora do Banco de Leite da Maternidade Dona Evangelina Rosa, atualmente existe uma média de 60 mulheres que fazem a doação, normalmente uma vez por semana, o que ainda é considerado baixo, já que são quase 80 bebês prematuros que precisam da doação.

"Temos uma média de 60 a 80 bebês prematuros diariamente, que requerem essa doação. Nós temos no nosso cadastro de 60 a 70 mães doadoras, algumas frequentes e outras que fazem doações pontuais. Essa doação é algo que faz a diferença na vida deles. A doação é muito simples, depois que ela atende aos critérios de saúde, o banco de leite leva para a residência dela todo o kit necessário, ela retira em casa, no seu conforto, e vamos pegar na residência dela. Caso a mãe necessite ir até o banco de leite, temos uma sala de coleta preparada", explicou.

Recentemente ocorreu uma queda na quantidade de doadoras, o que reduziu quase 50% o estoque de leite, o que tem preocupada a coordenadora Vanessa Paz.

"Entre março e abril, tivemos uma redução de 13% na quantidade de doadoras, e quase 50% no nosso estoque, então isso nos deixou muito preocupados, por isso precisamos que a população nos escute para a doação. Existe muito da mãe pensar que se ela decidir fazer isso, ela tem que se comprometer, mas ela doa pelo período que ela precisar. Também existe o mito de que se ela doar, o leite vai diminuir, mas é o contrário, quanto mais ela retira esse leite para doar, mais ela vai produzir", destacou. 

As mães que são doadoras afirmaram que é gratificante ajudar quem está precisando. É o caso de Liliane Sousa Lima, de 32 anos, que é mãe da Cecília, de 10 meses.

Fotos: Renato Andrade/Cidadeverde.com

"Logo depois que a Cecília nasceu, como eu tinha muito leite, senti esse desejo de ajudar outras pessoas. Quando a Cecília tinha cinco dias, eu me informei no banco de leite, foi super fácil, rápido o cadastro e passei a doar. Coletavam na minha casa, e é um tempo pequeno que você tira para ajudar outras vidas e para mim foi importante dividir o alimento da Cecília, com outras crianças”, disse Liliane.

Já Silvania Santos, de 35 anos, decidiu começar a doar quando teve o terceiro filho, Joaquim Luz, que está com três meses, após ficar sabendo como funcionava a doação.

Fotos: Renato Andrade/Cidadeverde.com

"Ele passou 24 dias na UTI, e a minha produção estava muito grande. Eu tirava para dar para ele e ainda ficava vazando. Fiquei sabendo como funcionava e então eu decidi fazer a doação. É maravilhosa a sensação de que pode estar salvando vidas, é muito gratificante”, afirmou.

Para doar, basta se cadastrar no banco de leite, que realiza a entrega do kit na casa da doadora, com todas as informações necessárias. Cada mãe recebe dois frascos e a coleta acontece uma vez por semana. O material ainda passa por três testes, com o objetivo de garantir a sua qualidade, antes de serem encaminhados aos bebês. Quem tiver interesse de doar pode entrar em contato pelo (86) 99498-5120, o 0800 280 2522 ou 3228-2022, onde pode receber as informações sobre a doação.

O evento faz parte das comemorações alusivas ao Dia Mundial de Doação de Leite Humano e da I Semana Estadual de Doação de Leite Humano no Estado, comemorado em maio. 

 

Bárbara Rodrigues
[email protected]

Imprimir