Cidadeverde.com
Vida Saudável

UBS é notificada por falta de medicamentos essenciais para diabéticos; CRM-PI faz alerta

Imprimir

Foto: Divulgação / CRM-PI

O Conselho Regional de Medicina do Piauí (CRM-PI) notificou a Unidade Básica de Saúde (UBS) Maria Dulce da Cunha Sena, no bairro São João, zona Leste de Teresina, por falta de medicamentos para dores e até para tratamento de diabéticos. A irregularidade foi constatada pelo CRM-PI durante duas vistorias realizadas na Unidade de Saúde. 

Os medicamentos que estão em falta na UBS segundo levantamento do CRM-PI são 15. Falta a dipirona, paracetamol comprimido, carvedilol (disponível apenas na dosagem 6,25mg), AAS, eritromicina, espironolactona, metronidazol suspensão, permetrina loção, mebendazol, ibuprofeno gotas, escopolamina, bromoprida, gliclazida (antidiabético oral), glimepirida (antidiabético) e hidróxido de alumínio. 

O CRM-PI realizou duas vistorias na UBS Maria Dulce da Cunha Sena, a primeira em 19 de maio e a segunda em 1º de junho. Durante a vistoria, a coordenadora da unidade de saúde disse à equipe do CRM-PI que os pedidos de medicamentos são realizados todo dia 15 do mês para reposição no dia 20 do mesmo mês. 

Membros do Conselho retornaram 12 dias após a primeira vistoria e a reposição de remédios na UBS havia sido parcial. Por conta disso, o Conselho notificou a UBS e acionará o Ministério Público Estadual e a Fundação Municipal de Saúde para que o problema seja resolvido no menor espaço de tempo. 

Foto: Divulgação / CRM-PI

As UBS têm o papel de realizar diagnósticos e atuarem na manutenção de doenças crônicas controladas, como hipertensão, diabetes e cardiopatias. Devido a falta desses medicamentos, o paciente fica vulnerável à complicações das doenças. 

“Esse acompanhamento médico constante ajuda no diagnóstico precoce de complicações, o que possibilita maiores chances de alcançar um tratamento efetivo e permite o direcionamento dos casos mais graves para os níveis mais complexos de atendimento, como o terciário”, destacou o médico fiscal do CRM-PI, Juarez Holanda.

O CRM-PI destaca ainda que complicações advindas, por exemplo, de diabetes descompensada, resultando em insuficiência renal e retinopatia diabética, saem muito mais caras ao SUS do que manter um estoque de medicações em dia. 

"Não só do ponto de vista do custeio ao tratamento, mas há repercussões no âmbito familiar e previdenciário, quando as pessoas ficam impossibilitadas ou possuem limitações ao trabalho", completa o Conselho através de informações enviadas ao Cidadeverde.com

Foto: Divulgação / CRM-PI

O que diz a FMS

Já a Fundação Municipal de Saúde afirmou que seis dos 15 medicamentos listados pelo CRM-PI não estão em falta na UBS do bairro São João. Contudo, reconhece que outros 9 medicamentos estão em falta pontual e que a FMS solicitou aquisição, mas que o estoque não foi reposto porque as empresas alegam falta no mercado nacional. 

Confira a nota

A gerencia de farmácia da Atenção Básica da FMS informa que não existe falta das medicações Gliclazida 30, Gliclazida 60,Eritromicina suspensão, Carvedilol 6,25,Carvedilol 3,125 e Carvedilol 12,5.  Os demais medicamentos estão em falta pontual e a FMS já realizou aquisição mas as empresas alegam falta no mercado Nacional.

Nataniel Lima
[email protected] 

Imprimir