Cidadeverde.com
Geral

COE de Teresina decide obrigar máscara em hospitais e recomendar em aglomerações

Imprimir

Fotos: Renato Andrade/Cidadeverde.com 

Atualizada às 12h

O Comitê de Operações Emergenciais de Teresina (COE) decidiu nesta sexta-feira (10) que a Prefeitura de Teresina deve voltar a obrigar o uso de máscara em ambientes hospitalares, pois antes existia apenas uma recomendação. Outra mudança é a recomendação para utilização da máscara em locais com aglomeração.

A reunião do COE terminou por volta das 11h50 onde foi discutido o aumento de casos de Covid-19. Ao final da reunião, os membros do conselho decidiram por editarem o atual decreto para tornar obrigatório o uso de máscara em ambientes hospitalares, pois antes havia apenas uma recomendação.

Outra mudança é a recomendação para o uso da máscara facial em ambientes com até 500 pessoas e locais de grande aglomeração, como tem acontecido em algumas cidades e escolas do Brasil. Como se trata de uma recomendação, o uso não é obrigatório.

Para justificar as mudanças o COE informou que houve aumento de 385% dos casos confirmados de Covid nos últimos dias em Teresina e aumento da positividade nos testes antígenos. Apesar da infectividade estar alta, são poucos os internados e os casos considerados graves. A internação na cidade caiu 55%.

“Teresina teve um aumento expressivo de casos de Covid nos últimos dias. Resolvemos solicitar que a prefeitura emita um decreto para a obrigatoriedade do uso de máscara em todos os estabelecimentos de saúde. Recomendamos para as pessoas a atualização do cartão vacinal, para que elas tomem a terceira e quarta dose da vacina contra a Covid”, afirmou o médico Walfrido Salmito.

O presidente da Fundação Municipal de Saúde, o médico Gilberto Albuquerque, afirmou que é importante tomar medidas de prevenção.

“Nós não vamos esperar que essas pessoas adoeçam, sejam internadas, vão pra UTI para que a gente possa tomar medidas. Estamos tomando previamente essa medida, uma delas é esse decreto em que obrigaria o uso de máscara nos serviços de saúde”, destacou o presidente. 

Vale ressaltar, segundo Albuquerque, que Teresina possui hoje uma crescimento na taxa de positividade de 385%. Apesar disso, o número de internações ainda é baixo na cidade. Para Gilberto Albuquerque, isso se dá devido ao grande percentual de teresinenses vacinados contra a Covid. 

“A gente conseguiu um número de imunização por volta de 100% e 98%. E isso dá uma garantia de que essas pessoas, mesmo infectadas, não precisem de internação hospitalar. Mas nós ainda temos um número pendente de terceira e quarta dose”, acrescentou Gilberto.

Matéria original

Os membros do Comitê de Operações Emergenciais de Teresina (COE) voltaram a se reunir na manhã desta sexta-feira (10) para deliberar sobre a recomendação do uso da máscara em ambientes fechados. A reunião é a segunda no intervalo de uma semana, e acontece após pedido do prefeito Dr. Pessoa (Republicanos). 

O Comitê analisa dados da Covid em Teresina para tomar uma decisão sobre o retorno ou não do equipamento de proteção contra a COVID-19. 

Estão reunidos o secretário de Governo, André Lopes, o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque, o médico infectologista, Walfrido Samilto, e o médico Marcelo Adriano. 

A reunião iniciou as 11h10.  

Segundo o secretário de Governo, André Lopes, o decreto que permitiu a liberação do uso de máscaras em ambientes abertos e fechados tem, em um dos seus dispositivos, um critério objetivo que determina quando o uso de máscara vai ser obrigatório e quando vai ser facultativo na cidade. 

“Quando nós tivermos mais de 200 casos confirmados na semana para cada 100 mil habitantes, ou mais de 10 internações por semana a cada 10 mil habitantes, ou mais 10% dos leitos ocupados com pacientes covid, o uso de máscara volta a ser obrigatório automaticamente”, destacou André Lopes. 

 

Flash Nataniel Lima 
[email protected]

Imprimir