Cidadeverde.com
Vida Saudável

Bombinhas para asma viciam? Confira dúvidas mais frequentes

Imprimir

 

Foto: Pixabay

 


A asma é uma condição definida como doença crônica não transmissível inflamatória das vias aéreas ou brônquios. Segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019, 5,3% dos entrevistados referiram diagnóstico de asma, representando 8,4 milhões de brasileiros.

Além disso, dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) estimam que 23,2% dos adolescentes do 9º ano de escolas públicas e privadas da população brasileira possuem algum tipo de sintoma relacionado à asma, com a incidência de sintomas variando de 19,8% a 24,9% entre as regiões do País.

Mas o problema, caracterizado por um processo complexo que, de modo geral, afeta todo o organismo, ainda traz muitos questionamentos. Na semana do Dia Nacional de Controle da Asma, confira algumas dúvidas frequentes.


A asma tem cura?

Não. A asma é caracterizada como uma doença crônica e a ocorrência de crises e sintomas pode variar ao longo do tempo. Ou seja, a pessoa pode passar um longo período sem sintomas, mas fatores desencadeantes podem iniciar crises. Embora não exista cura para a asma, é possível controlá-la com o tratamento adequado e prevenção de fatores desencadeantes.


Quem tem diagnóstico de asma deve manter o tratamento, mesmo no contexto da Covid-19?

Sim. O controle da asma é de suma importância, especialmente no contexto da Covid-19. A adesão ao tratamento evita o agravamento da condição e complicações podem ser evitadas.


A asma e o cigarro possuem relação?

Sim. Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, a fumaça do cigarro é prejudicial mesmo quando a pessoa não faz uso direto do tabaco, mas convive com pessoas fumantes. É o caso dos fumantes passivos, que podem ter aumento na inflamação dos brônquios por conta dessas situações. Além disso, o tabaco prejudica a saúde pulmonar de forma geral e pode desenvolver ou agravar outras doenças.


As bombinhas utilizadas para tratamento da asma viciam?

Não. Os medicamentos de via inalatória utilizados para o tratamento da asma (conhecidos como “bombinhas”) não viciam. Porém, com a progressão do quadro inflamatório da asma, eles podem se tornar insuficientes para fornecer a resposta terapêutica desejada, necessitando ajuste da dose ou troca.


O tratamento da asma envolve apenas medicamentos?

Não. Os medicamentos são importantes no controle da asma, no entanto, é fundamental a adesão de outras medidas que contribuem para o controle da doença, como evitar o contato com substâncias que desencadeiam crises (ex. alérgenos, fumaça de cigarro).


Quem tem asma não pode praticar atividade física?

Não. A prática de atividades físicas é recomendável no tratamento da asma, no entanto, deve ser feita após avaliação médica e com orientação adequada para a execução de forma segura, considerando a capacidade respiratória do paciente acometido.


Só devo procurar o serviço de saúde quando tenho sintomas respiratórios graves?

Não. O acompanhamento da pessoa com asma, mesmo com sintomas leves, é fundamental para o adequado tratamento e a prevenção de crises. Nas Unidades Básicas de Saúde são ofertadas ações de prevenção dos fatores de risco que agravam os casos de asma, além da assistência para o diagnóstico e tratamento.



Fonte: Ministério da Saúde

Imprimir