Cidadeverde.com
Entretenimento

'Sou cachorrada, mas escola trouxe seriedade', diz Gil do Vigor na Bienal do Livro

Imprimir

Foto: Reprodução/TV Globo

O encontro com Gil do Vigor na Bienal do Livro de São Paulo na manhã desta sexta (8) foi uma amostra de como o evento tem encontrado sustentação no carisma de influenciadores e na publicidade.

Gil, economista que foi alçado à fama superlativa no BBB 21 e hoje acumula mais de 15 milhões de seguidores no Instagram, causou frenesi no Salão de Ideias da Bienal. Não só lotou seus cerca de cem lugares como fez dezenas de pessoas ficarem coladas no vidro em torno do espaço em forma de aquário durante cerca de uma hora.

A mesa foi patrocinada pela Zap Imóveis, da qual Gil é garoto-propaganda, e mediada pela vice-presidente de marketing da empresa. Não faltaram perguntas sobre dificuldades de mudança, como encontrar uma boa casa e os mais diversos temas imobiliários.

O desinteresse aparente do assunto e o forte aroma de merchan foi mitigado pelo magnetismo de um homem que está no pódio dos mais carismáticos do Brasil. Gil pontuou a conversa com histórias de vida de autenticidade tocante, refletindo sobre o que houve de transformações e permanências depois da fama em meio a bordões que já se tornaram habituais.

Espalhando dicas de sucesso entre tchauzinhos para uma plateia efusiva, Gil comentou que "até as pessoas mais vigorosas têm síndrome do impostor" e que quem jogar você pra baixo "é basculho".

Vale lembrar que o ex-BBB tem uma vida dupla de influenciador e acadêmico e está prestes a retomar o doutorado na Universidade da Califórnia. "Brasil é o país da educação e as pessoas tentam diminuir isso. Chegou um líder com discurso que não é pró educação, tem que mandar ele se lascar", disse, sob palmas.

A autobiografia "Tem que Vigorar!", que saiu poucos meses depois da participação de Gil no reality show, foi citada poucas vezes, mas o autor disse que se emocionou ao produzir o livro porque sentiu ter conseguido condensar sua história, "com dificuldades que são as mesmas que tantos brasileiros passam".

Se o encontro se equilibrou entre dicas de moradia e anedotas sobre sua vida "regojizada", Gil terminou sua fala num tom de defesa ardorosa da educação, para uma plateia majoritária de crianças e adolescentes.

O economista disse que, ao manter uma carreira acadêmica, é também professor -e puxou uma salva de palmas para todos os mestres presentes ali.

"Eu sou altamente da cachorrada, mas a escola me trouxe a seriedade. Não desisti do mundo acadêmico porque eu senti que poderia ser impactante para o meu país. Quando alguém me pergunta, 'tu só estuda?', eu quero pegar e xingar a pessoa de basculho."


WALTER PORTO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Imprimir